Não está com tempo de ler? Ouça este conteúdo.

Há algumas semanas circulavam informações na Internet que davam conta que a Samsung iria encerrar a última fábrica na China. Mais tarde isto foi confirmado pelo próprio fabricante. No entanto, a Samsung não se limitou a fechar a fábrica. Dito isto, resolveu dar aos trabalhadores diversos benefícios, onde se incluiu um Galaxy S10+, um smartwatch e algum dinheiro para os funcionários que lá estiveram durante 10 anos. Quem esteve menos tempo também teve direito a brindes. Na prática receberam um Galaxy A80. Boas prendas!

Samsung fecha fábrica mas oferece boas prendas aos funcionários

A Samsung chegou a operar três fábricas de produção de smartphones na China. Mais especificamente em Shenzhen, Tianjin e a terceira em Huizhou. Ora as fábricas em Shenzhen e Tianjin foram fechadas em 2018. Já a situada em Huizhou abriu em Dezembro de 1992 e começou a produzir em 1993. Foi a que fechou agora e era a última em operação neste país.

A Samsung é a maior fabricante de smartphones do mundo. No entanto há uma coisa que não consegue. Invadir o mercado chinês.

Acerca da decisão difícil de fechar a fábrica, a Samsung confirmou que todos os “equipamentos de produção serão realocados para outros locais de fabrico globais, dependendo da estratégia de produção com base nas necessidades do mercado”. Embora mais nada tenha sido adiantado pela Samsung, isto pode significar que a produção de smartphones na Índia e no Vietname terá em breve um ligeiro impulso.

No auge em 2013, a Samsung detinha 20% do mercado chinês de smartphones. Era sem dúvida um valor muito bom. No entanto, à medida que rivais locais e com preços mais baixos, como a Xiaomi, Huawei e Oppo começaram a surgir, as coisas pioraram.

Em 2016, a Samsung detinha apenas 4,9% do mercado local e as coisas pioraram ainda mais no ano seguinte, quando esse número caiu para 2,1%. Durante a maior parte de 2018, a Samsung lutou para manter uma participação de mercado de 1%. De facto, até teve direito a um pequeno aumento no início de 2019. É que graças a um lançamento bem-sucedido do Galaxy S10, a participação da Samsung passou para 1,1%. Ainda assim, durante os três meses seguintes caiu para apenas 0,7% conforme as vendas caíram para 700.000 unidades.

Estes desenvolvimentos significam que a Samsung já não é o sexto maior fabricante de smartphones na China, atrás da Apple.

A marca local Meizu ocupa agora essa posição e a Samsung está na categoria “Outros”, embora presumivelmente ocupe o sétimo lugar.

A participação de mercado e os números de vendas do trimestre de julho a setembro ainda não foram publicados. No entanto, estes resultados podem ser cruciais para a Samsung. Durante este período, a empresa lançou o Galaxy Note 10, Galaxy Note 10+ e Galaxy Note 10+ 5G que, segundo informações, se estão a sair muito bem. De facto, diz-se que as vendas “dispararam” em comparação com as do Galaxy Note 9 na China.

Apenas o tempo dirá se a Samsung pode encontrar uma forma de recuperar sua participação no mercado chinês. Pelo menos com estas boas prendas está no bom caminho!


Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.