Não está com tempo de ler? Ouça este conteúdo.

Antigamente a maioria dos equipamentos apostavam em baterias amovíveis, ou seja, que podiam ser removidas e facilmente trocadas. Atualmente, é exatamente o contrário. Os smartphones vêm com baterias que não é possível remover. Ora isto dificulta muito a troca para outra bateria, para além de ficar muito mais caro. No entanto, a União Europeia pode estar a trabalhar num plano para mudar tudo isto, o que são sem dúvida boas notícias.

Smartphones com baterias amovíveis podem estar de volta!

De acordo com o site Het Financieele Dagblad (via XDA-Developers), a Comissão Europeia está a trabalhar numa proposta que vai forçar as empresas a facilitarem a substituição das baterias. Aparentemente, a proposta, que deve ser apresentada em meados de março, visa smartphones, tablets e auscultadores sem fios.

A proposta também vai dar mais atenção à reciclagem de produtos, reutilização de matérias-primas e produção sustentável. Acredita-se, também, que a UE também esteja a pressionar os fabricantes para oferecerem períodos mais longos de garantia e acesso mais fácil às informações de reparação.

O plano da UE também pede mais reciclagem das embalagens dos produtos, acrescentando que pretendem ver uma redução no uso de microplásticos. De facto, a proposta sugere que os fabricantes coloquem um rótulo na embalagem para divulgar quantos microplásticos são libertados no ambiente devido à utilização destes produtos. Outra iniciativa fala da criação de um sistema na UE para recolher smartphones, tablets e carregadores antigos.

De facto, é muito interessante vermos a União Europeia a pressionar os fabricantes para proporcionarem uma substituição mais fácil da bateria nos smartphones. É que a degradação da bateria é um dos principais problemas dos equipamentos antigos. Olhando para o exemplo da Apple em que o desempenho dos dispositivos até diminui, a substituição facilitada da bateria poderá levar-nos a manter os smartphones mais antigos durante mais tempo.

A aposta dos fabricantes nas baterias que não é possível remover

Entretanto, a principal vantagem das baterias seladas é que elas ajudam a garantir um smartphone resistente à água e poeiras. No entanto, a União Europeia não está a proibir a sua utilização. O que na realidade querem é que os fabricantes desistam de práticas como colar baterias que tornam o processo de substituição mais desafiador. De facto, a Comissão Europeia já tinha aconselhado as marcas a evitar o uso de cola em 2017.

Acompanhe ao minuto as últimas noticias de tecnologia. Siga-nos no Facebook, Twitter, Instagram! Quer falar connosco? Envie um email para geral@l.pt.


Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.