O drone Xiaomi Mitu e o Tello, da DJI, são duas opções compactas e de entrada que prometem voos simples e imagens gravadas em HD. Os modelos se diferencial principalmente na presença de recursos de voo avançados no Tello, além da habilidade de pousar sozinho na palma da mão. Seu concorrente, por sua vez, tem 4 GB de espaço para armazenar vídeos e fotos e é um produto mais recente. O TechTudo comparou a ficha técnica dos dois quadricópteros para ajudar você a escolher aquele que combina mais com seu perfil de uso.

Quer comprar celular, TV e outros produtos com desconto? Conheça o Compare TechTudo

Design

Os dois drones são compactos e se destinam a usuários iniciantes. O Mitu, da Xiaomi, possui quatro motores, não é dobrável e é vendido no Brasil apenas na cor branca. Segundo a fabricante, o produto pesa 88 gramas.

O Tello também não é dobrável e possui a mesma orientação de quatro hélices. O produto da DJI pode ser encontrado em várias cores no mercado internacional e pesa 80 gramas. Nenhum dos dois é vendido com um estojo próprio, mas, dadas as dimensões reduzidas, seu transporte na mochila ou em outros tipos de cases se torna fácil.

Resolução de fotos e vídeos

Os dois drones são compactos, e isso explica a presença de câmeras mais simples em ambos. No caso do Xiaomi, o sensor alcança resolução máxima de 2 megapixels e produz vídeos em resolução HD de 1280 x 720 pixels. Para fotografias, a câmera pode entregar imagens de, no máximo, 1600 x 1200 pixels de resolução.

O Tello também gera vídeos de até 720p, mas pode se mostrar uma aposta melhor para quem deseja caprichar nas fotos: a câmera de 5 megapixels do drone da DJI tem nível superior de definição para entregar fotos com maior qualidade e detalhes.

Um detalhe importante é que o Tello não possui espaço de armazenamento interno de dados, e nem slot para cartão de memória microSD. Sendo assim, todo o material capturado pelo drone precisa ser armazenado diretamente no celular, algo que pode se mostrar desafiador caso o sinal fique instável ou o dispositivo esteja a uma grande distância do controlador.

Já o Xiaomi Mitu não sofre dessa limitação: o aparelho conta com um total de 4 GB de internos para guardar fotos e vídeos.

Performance

O Mitu, da Xiaomi, promete um teto de operação de 25 metros e pode operar num raio de 50 metros de distância sem que ocorra perda de qualidade do sinal entre o celular e o drone. Não há informações a respeito da velocidade máxima de voo do equipamento. Já o Tello oferece um raio de operação maior, de até 100 metros de distância do controlador. Em velocidade, a DJI afirma que o drone pode acelerar a 28,8 km/h.

Os dois produtos são controlados pelo celular, e o Tello permite ainda fixar o smartphone em um joystick. Ambos transmitem para o smartphone tudo aquilo que as câmeras enxergam em tempo real. Com app disponível para Android e IPhone (iOS), é possível controlar a operação da câmera para decidir o momento ideal de fotografar, ou iniciar uma nova gravação.

Estabilização

Os dois drones oferecem modos de voo programados, mas o DJI tem mais versatilidade no quesito. O Tello tem estabilização, conjunto de sensores para evitar obstáculos, acrobacias pré-definidas, além de permitir que o usuário programe as suas próprias rotinas. Há também suporte a gravação de vídeo em 360 graus.

O produto oferece ainda modos automáticos de voo que tornam o controle do equipamento algo mais simples, especialmente voltado para iniciantes. Um dos recursos mais interessantes é a capacidade de pousar na palma da mão do usuário de forma completamente automática, apenas usando sensores

... .

Do lado da Xiaomi, o Mitu oferece voo estabilizador para manter altura, modo que trava o drone numa mesma direção. É possível inclusive fazer com que o produto desenhe círculos no céu, permitindo gravação de vídeo em 360 graus. Além disso, é possível controlar o quadricóptero por meio de movimentos com o celular na mão.

Bateria

O drone da Xiaomi promete uma autonomia de dez minutos de voo, inferior aos 13 minutos do Tello. No caso do produto da Xiaomi, são necessários 90 minutos para recarregar completamente a bateria. Ambos têm baterias removíveis, e o consumidor que desejar sessões mais longas pode considerar a compra de baterias reserva para prolongar o tempo útil de uso dos equipamentos.

Um detalhe importante a respeito dos dois drones é que o Tello se destaca pela oferta de um modo de segurança, que entra em ação quando a bateria está para acabar: o drone pousa sozinho e em segurança, evitando acidentes e prejuízos.

Preços

O drone da Xiaomi pode ser encontrado no mercado brasileiro começando em R$ 743. O valor fica mais alto, considerando o preço da loja oficial para o mercado brasileiro, é de R$ 892.

O DJI Tello é mais barato: o kit com o drone, três baterias e hélice reserva aparece por R$ 789 na Amazon. Se você considerar o Tello avulso, há anúncios no mercado brasileiro que o colocam partindo de R$ 679 no momento, o que é mais alto que os R$ 599 no lançamento do produto em 2018.

Concorrentes

Os dois aparelhos disputam espaço com drones menores: no mercado nacional, é possível encontrar uma boa variedade desse tipo de dispositivo. Geralmente os produtos aparecem com dimensões parecidas, autonomia perto de dez minutos e oferta de câmera de menor resolução para vídeo em 720p. Os preços podem variar bastante, mas, em geral, ficam abaixo da casa de R$ 500.

Modelos com o mesmo perfil compacto, mas com mais recursos, também existem – a preços bem mais salgados. Há o DJI Spark, por exemplo, começando em R$ 3.500, e o DJI Mavic Mini, na faixa de R$ 4.859. Já o Mavic Mini 2 Fly aparece começando em R$ 5.765.



>>> Veja o artigo completo no TechTudo

Sobre Gerência Imóveis

A primeira plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.