Jogos de guerra em simulação são uma boa pedida para usuários que gostem de gameplay que envolva habilidade, coordenação e trabalho em equipe. ArmA 3, Squad e Post Scriptum são alguns exemplos de títulos que dão maior realismo ao comportamento das armas e ao operacional das ações militares.

Nas linhas a seguir, conheça dez opções de games de guerra como Call of Duty. Vale citar que os jogos citados estão disponíveis em diversas plataformas, como PC (via Steam), PlayStation 4 (PS4), PlayStation 5 (PS5), Xbox One e Xbox Series X/S.

Quer comprar jogos, consoles e PC's com desconto? Conheça o Compare TechTudo

1. ArmA 3

Os jogos da série ArmA, produzida pela Bohemia Interactive, têm foco especial no realismo, que vai além dos gráficos. No jogo, a simulação física aprofundada de cada arma e o uso de equipamentos eletrônicos em operações, por exemplo, são precisamente simulados pelo game, que exige bastante do jogador.

A experiência que é entregue pelo título, por sua vez, é impressionante e do tipo que não existe em jogos focados em um público mais amplo, como Call of Duty ou Battlefield. ArmA 3 está disponível para PCs (via Steam) por R$ 99.

Além de uma grande variedade nos modos de jogo, ArmA 3 é amigável com mods, e possui uma ampla seleção de conteúdo criado pela comunidade. Para quem prefere a experiência tradicional da Bohemia Interactive, no entanto, há muito o que explorar também. Isso porque o jogo é ambientado em um enorme mapa aberto, com diversos cenários diferentes que variam entre áreas urbanas e rurais, entregando batalhas e operações envolventes.

2. Red Orchestra 2: Heroes of Stalingrad

Ambientado na Batalha de Stalingrado, da Segunda Guerra Mundial, Red Orchestra 2 tem foco em multiplayer, com promessa de simulação precisa de uma das mais sangrentas batalhas da história. O jogo permite que jogadores vivenciem confrontos na região da cidade soviética, experimentando a ação de guerrilha que mobilizou os exércitos soviético e nazista entre julho de 1942 e 1943. O jogo está disponível para PCs (via Steam) por R$ 17.

O realismo de Red Orchestra 2 pode ser visto em elementos como a simulação física das armas aprofundadas, com o comportamento balístico dos projéteis e o recuo e impacto de cada tiro. Além disso, o jogo não tem HUD mostrando dados como quantidade de balas restantes, o que obriga o jogador a checar ou até memorizar quantos tiros ainda restam. Nele, a vida também não se regenera, e é difícil recuperar-se de ferimentos. Por conta disso, a cobertura é algo crucial no cenário de batalha.

3. Verdun

Verdun é um jogo de tiro tático por esquadrões. Ele leva o nome da Batalha de Verdun, da Primeira Guerra Mundial, uma das grandes tragédias coletivas da humanidade. Disponível para PCs, PlayStation 4 (PS4) e Xbox One, o game aposta no realismo e tem armamento limitado do conflito. Isso impõe uma cadência de tiro bem mais baixa, aumentando a exigência por precisão e ação rápida de preparo para o disparo.

O jogo retrata a violência dos embates do front europeu da Primeira Guerra, com direito a ações coordenadas com artilharia, barragens e armas químicas. Do ponto de vista de gameplay, Verdun permite partidas com até 64 jogadores, além de exigir coordenação para que ataques e defesas sejam bem sucedidos. O game tem quatro grandes modos.

4. Escape from Tarkov

Escape from Tarkov oferece uma pegada imersiva temperada por elementos de simulação muito elogiados, como armas com comportamento realista, por exemplo. A jogabilidade, que envolve sobrevivência, se destaca pelo aspecto tático, que obriga equipes a se organizarem para explorar o mapa em busca do ponto de extraç

... ão.

Além da dinâmica de jogo online contra outros jogadores no mesmo mapa, Escape from Tarkov conta com outros elementos, como mecânicas de loot para encontrar armas e equipamentos. Além disso, há o mercado, em que players podem trocar e vender seus equipamentos. Atualmente disponível em beta, Escape from Tarkov tem versão para PCs, via Steam e Epic Games Store.

5. Insurgency: Sandstorm

Insurgency: Sandstorm foca em combates urbanos e tem um multiplayer bastante complexo. Nele, os jogadores têm acesso a todos os itens de customização de armas, normalmente bloqueados em outros jogos. Carregar tudo com você, no entanto, aumenta o peso e reduz sua velocidade. Outra diferença importante do game é o seu sistema de classes. Cada uma delas complementa profundamente as outras, fortalecendo times com papeis bem definidos e variados.

Neste jogo, a comunicação também é importante. Há, no entanto, uma grande ressalva: se você fizer muito barulho, falando alto o tempo todo, seu inimigo pode te ouvir e localizar seu time. Insurgency: Sandstorm tem versões para PCs, PS4 e Xbox One, além de reedições já confirmadas (mas ainda sem data) para Xbox Series S/X e para PlayStation 5 (PS5).

6. Rising Storm 2: Vietnam

Produzido pela Tripwire Interactive, estúdio responsável por Red Orchestra 2, Rising Storm: Vietnam adapta o conflito das décadas de 1960 e 1970 em um formato que envolve batalhas multiplayer e singleplayer. Assim como em Red Orchestra, as armas têm comportamento realista, e sua jogabilidade recompensa equipes organizadas.

Rising Storm: Vietnam suporta até 64 jogadores nos diversos mapas inspirados no conflito, oferecendo um sistema de customização abrangente. Nele, há várias classes diferentes, além de possibilidade de uso de veículos e quatro grandes modos online. O jogo está disponível para PC apenas, via Steam ou Epic.

7. Squad

Squad tem a proposta de oferecer a mesma jogabilidade avançada de games da série ArmA, mas com gráficos de Battlefield e uma abordagem mais amigável a iniciantes. Com partidas que envolvem batalhas de até 100 jogadores, Squad tem mapas enormes e foca bastante no trabalho em equipe, que é basicamente a alma do jogo.

Ordens e comunicação são tão centrais em Squad que o jogo conta até mesmo com uma cadeia de comando hierarquizada, em que as ordens partem do comandante e chegam aos responsáveis por cada esquadrão. Cada um desses batalhões pode ter até nove jogadores, todos com classes variadas, que precisam trabalhar em conjunto não apenas para enfrentar as equipes rivais, mas também para realizar operações. Squad está disponível para PCs via Steam.

8. Ground Branch

Criado pelos desenvolvedores originais de Rainbow Six Siege e Ghost Recon, Ground Branch aposta em uma gameplay de tiro tático em primeira pessoa, que depende de coordenação e trabalho em equipe. O jogo conta com gráficos sem HUD, além de vida e munição limitadas. O principal foco do título, porém, é a estratégia, que demanda atenção e logística antes de cada missão.

O jogo, disponível para PCs, promete algo que os desenvolvedores chamam de “primeira pessoa verdadeiro”, em que a câmera segue movimentos mais naturais, com animações precisas de recarga das arma. Isso significa, por exemplo, que, enquanto troca o pente do armamento, você não está mais olhando para o que acontece ao seu redor. Além do aspecto tático e realista, Ground Branch aposta pesado em customização.

9. Project Reality

Project Reality é um jogo gratuito para PC, que nasceu de um supermod para Battlefield 2, lançado em 2005. Focado em uma gameplay autêntica, com mais realismo e ação coordenada entre jogadores, a modificação é tão famosa que apareceu em outros jogos (como ArmA 2, por exemplo). Após seu enorme e inesperado sucesso, ela rendeu frutos e se tornou um game comercial próprio: Squad, que foi mencionado anteriormente na lista.

Entre as credenciais realistas, o jogo tem um HUD mínimo na tela, além de um sistema que não permite que jogadores "renasçam" diretamente na batalha, como é em games mais arcade. Nele, você precisa retornar em bases e pontos seguros do seu time, sendo obrigado a se deslocar por mapas enormes em direção ao front. Embora gratuito, por ter origens tão antigas, Project Reality denuncia os sinais da idade em gráficos mais datados e tecnologias mais limitadas.

10. Post Scriptum

Post Scriptum, disponível para PC via Steam, é uma escolha certeira para quem procura algum jogo de tiro em primeira pessoa com elementos sérios de simulação. O título mistura gráficos de alta qualidade à ambientação na Segunda Guerra Mundial, com ação de Post Scriptum localizada na França e Holanda. Suas principais inspirações são as operações Overlord, da invasão da Normandia, a Market Garden, de invasão da Holanda pelos Aliados, além da Batalha da França, vencida pelos alemães no começo do conflito.

Característico de outros jogos do gênero, Post Scriptum depende de trabalho em equipe e da comunicação. O game é claro em avisar que oferece uma curva de aprendizado bastante íngreme, com destaque à necessidade de aprender a diferentes tipos de armamentos e veículos. Cada partida tem um mapa enorme e comporta até 80 jogadores. É possível construir bases e explorar mais de 50 veículos diferentes.



>>> Veja o artigo completo no TechTudo

Sobre Gerência Imóveis

A primeira plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.