Não está com tempo de ler? Ouça este conteúdo.

Os usuários que desejam comprar ou já adquiriram um Moto G 3 podem observar aspectos do design, configurações e registros, como o IMEI, para saber se o celular é original. Alguns comerciantes tentam vender réplicas do aparelho por um preço mais barato, mas que podem ter uma durabilidade menor e problemas no funcionamento.

Ainda vale a pena comprar o Moto G 3 ou é melhor investir no Moto G 4? 

A dica também vale para quem está pensando em investir em um Moto G 3 usado e quer conferir se ele é verdadeiro. É importante destacar que os clones do Moto G 3 não são aceitos na assistência técnica da Motorola e o Android pirata não atualiza.

Veja dicas para descobrir se o seu Moto G 3 é original (Foto: Luana Marfim/TechTudo)Veja dicas para descobrir se o seu Moto G 3 é original (Foto: Luana Marfim/TechTudo)

Download grátis do app TechTudo: receba dicas e notícias de tecnologia no seu Android ou iPhone

1. Veja o IMEI e registro da Anatel

Para começar, os clones de smartphones, em muitos casos, não mostram o número de IMEI ou registro da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações). No caso do Moto G 3, esses dados estão em uma etiqueta, gravada na bateria. Para conferir, abra a tampa do aparelho e observe se há os registros na parte traseira. O IMEI deve ser o mesmo do indicado no sistema do celular: veja neste tutorial como encontrar o IMEI no Moto G 3.

Confira o número de IMEI e registro da Anatel na traseira do Moto G 3 (Foto: Barbara Mannara/TechTudo)Confira o número de IMEI e registro da Anatel na traseira do Moto G 3 (Foto: Barbara Mannara/TechTudo)

Vale lembrar que o código IMEI é um registro único do celular, como se fosse uma “impressão digital”, e é indicado um número para cada slot de chip. Já o registro da Anatel permite que o celular seja vendido no Brasil.

2. Observe o design

Outro ponto que pode denunciar o clone do Moto G 3 é o design. No Moto G 3 original os botões sensíveis ao toque são posicionados na parte frontal, só que “dentro” da tela. Ou seja, só aparecem quando o celular é ligado. Em alguns aparelhos falsos há esses botões “impressos” na borda inferior do display.

Confira se os botões estão dentro da tela do Moto G 3 e não na barra inferior (Foto: Barbara Mannara/TechTudo)Confira se os botões estão dentro da tela do Moto G 3 e não na barra inferior (Foto: Barbara Mannara/TechTudo)

Observe também o posicionamento dos chips e a entrada de microSD na parte traseira, removendo a tampa. O Moto G 3 é dual-chip e cada SIM é encaixado de um lado do celular. Já o slot de microSD fica logo abaixo do chip SIM 1. Qualquer mudança nesse padrão indica que o aparelho é falso.

Confira o posicionamento das entradas para chips SIM e microSD (Foto: Barbara Mannara/TechTudo)Confira o posicionamento das entradas para chips SIM e microSD (Foto: Barbara Mannara/TechTudo)

Na parte traseira do Moto G 3 original, a câmera é posicionada logo acima do flash. Veja também que há o logotipo da Motorola marcado no final do detalhe metálico. As cores da tampa podem ser alteradas, conforme o gosto do usuário. Os únicos botões físicos no Moto G 3 original estão na parte lateral (com o volume e para ligar/desligar). Desconfie de modelos com o flash na lateral ou design de botões diferente.

Confira o posicionamento da câmera e botões físicos no Moto G 3 (Foto: Barbara Mannara/TechTudo)Confira o posicionamento da câmera e botões físicos no Moto G 3 (Foto: Barbara Mannara/TechTudo)

3. Vejas as configurações e Android

O Moto G 3 original vem com opções de armazenamento interno de 8 GB ou 16 GB e a memória RAM pode ser de 1 GB  ou 2 GB. O usuário pode conferir esses dados no sistema do celular, sem baixar nada: para isso, confira os passos neste tutorial. Os modelos falsos podem oferecer configurações inferiores ou superiores, com memória RAM mais fraca ou muito armazenamento interno, por exemplo.

Confira a memória RAM e armazenamento interno do Moto G 3 (Foto: Reprodução/Barbara Mannara)Confira a memória RAM e armazenamento interno do Moto G 3 (Foto: Reprodução/Barbara Mannara)

Dados mais difíceis de serem clonados são sobre o processador, arquitetura e fabricante. Para conferir tudo isso é necessário usar um aplicativo extra, chamado de CPU-Z, que pode ser baixado gratuitamente. Na aba “SOC” estão dados sobre hardware: no Moto G 3 original, o processador é um Qualcomm Snapdragon 410 quad-core. Na categoria “Device” o usuário confere o modelo e a fabricante (Brand), no caso, a Motorola.

Confira dados sobre o processador e fabricante (Foto: Reprodução/Barbara Mannara)Confira dados sobre o processador e fabricante (Foto: Reprodução/Barbara Mannara)

Por último, a dica é sobre o sistema operacional. O Moto G 3 vem com Android nativo na versão 5.1.1 (Lollipop) e ele já pode ser atualizado para o Android 6.0 Marshmallow. Desconfie caso o aparelho tenha uma versão do sistema anterior, como o 4.4 (KitKat), por exemplo. Isso acontece porque a plataforma instalada no celular “falso” é pirata. Quer descobrir como encontrar esses dados no seu Moto G 3? Então veja este tutorial. No sistema pirata o usuário pode encontrar problemas para atualizar o celular.

Confira a versão do Android no Moto G 3 (Foto: Reprodução/Barbara Mannara)Confira a versão do Android no Moto G 3 (Foto: Reprodução/Barbara Mannara)

Vale destacar que o Moto G 3 tem uma versão mais recente e potente, chamada Moto G Turbo, que tem processador mais avançado (octa-core) e algumas mudanças na ficha técnica. Essas dicas são indicadas para o Moto G 3 tradicional, lançado em 2015.

Como fazer formatação Hard Reset no Moto G? Descubra no Fórum do TechTudo.

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.