Não está com tempo de ler? Ouça este conteúdo.

O Moto Z foi anunciado pela Lenovo (dona da Motorola) no início do mês, em um evento nos Estados Unidos. Ele chama a atenção pelo design modular que permite adicionar acessórios na parte traseira, como se fossem baterias reservas acrescidas de funcionalidades extras. Apesar de ter especificações de top de linha, no entanto, o Moto Z brasileiro sofre do mesmo mal que afeta o LG G5 SE: o hardware é inferior ao encontrado no modelo vendido no exterior. Parece que o downgrade – a redução de algum atributo do produto – virou moda.

Testamos o Moto Z, celular da Lenovo com capinhas 'inteligentes'

Quando fez o anúncio do Moto Z, a Lenovo explicou que o celular com Android Marshmallow tem processador quad-core, da linha Qualcomm Snapdragon 820, com 2,2 GHz de frequência. Este dado, porém, se refere somente ao smartphone oferecido nos Estados Unidos (batizado de Moto Z Droid).

No Brasil, assim como no restante do mundo, o processador presente no Moto Z é da linha Qualcomm Snapdragon 820, porém com frequência de 1,8 GHz. Em termos nominais, a diferença é de 20% em relação ao Moto Z americano.

Esta mesma diferença foi verificada pelo TechTudo em uma pesquisa feita nos sites locais da Motorola: o Reino Unido receberá o telefone com ficha técnica superior, enquanto a Alemanha também terá o Snapdragon 820 de 1,8 GHz.

Moto Z e Moto Z Force chegam com Snapdragon 820 e 4 GB de RAM (Foto: Thassius Veloso/TechTudo) (Foto: Moto Z e Moto Z Force chegam com Snapdragon 820 e 4 GB de RAM (Foto: Thassius Veloso/TechTudo))Moto Z e Moto Z Force têm Snapdragon 820 e 4 GB de RAM (Foto: Thassius Veloso/TechTudo)

Download grátis do aplicativo do TechTudo: receba dicas e notícias de tecnologia no Android ou iPhone

Os testes iniciais do Moto Z, enquanto ainda ocorria a conferência Lenovo TechWorld, permitiram constatar que o smartphone está rápido na execução de tarefas. Embora seja cedo para bater uma martelo sobre seu desempenho, os indícios até agora são de que o Z terá plenas condições de atender às necessidades dos consumidores mais exigentes.

A diferença dos 1,8 GHz do modelo brasileiro para os 2,2 GHz do produto americano tende a não ter um impacto grande, ainda mais nas primeiras semanas de uso do Android. Conforme o tempo passa e mais arquivos são acumulados, porém, essa realidade pode mudar.

Procurada pelo TechTudo, a Motorola Brasil não se pronunciou sobre o assunto até a conclusão desta reportagem.

Ficha técnica poderosa

O restante da ficha técnica do Moto Z, até onde se sabe, permanece o mesmo para o país: memória RAM de 4 GB; GPU Adreno 530; tela AMOLED de 5,5" com resolução Quad HD (2560 x 1440 pixels); câmera de 13 megapixels;  e câmera frontal de 5 MP e grande angular. Apesar de oferecer algumas variantes do produto, dependendo da capacidade de armazenamento, é esperado que o Z chegue ao Brasil com 64 GB e suporte a cartão microSD de 2 TB.

Segundo a fabricante, a compatibilidade com 2 SIM cards será analisada pelas subsidiárias. Com isso, o Moto Z brasileiro deve ser dual chip quando for anunciado por aqui. O lançamento está previsto para setembro deste ano.

O que você achou do Moto Z e do Moto Z Force? Comente no Fórum do Techtudo

Coreanas fazendo escola

O LG G5 SE (a nomenclatura indica uma "Special Edition", ou Edição especial) vendido no Brasil também passou por um "downgrade", porém mais severo. Enquanto o Moto Z usa a mesma linha de processadores, embora com frequência diferente, o G5 SE brasileiro teve um rebaixamento completo: ele utiliza o Snapdragon 652 de até 1,8 GHz, enquanto o LG G5 original tem um Snapdragon 820 de até 2,15 GHz. A diferença de desempenho, portanto, tende a ser maior.

LG G5 SE tem sistema triplo de câmeras, com duas na traseira (Foto: Luciana Maline/TechTudo) (Foto: LG G5 SE tem sistema triplo de câmeras, com duas na traseira (Foto: Luciana Maline/TechTudo))LG G5 SE tem sistema triplo de câmeras, com duas na traseira (Foto: Luciana Maline/TechTudo)

Além disso, o G5 SE "nacional" tem memória RAM de 3 GB, enquanto o G5 de fora conta com 4 GB. De novo, o hardware tende a resultar em uma experiência de uso mais fluida.

Caso menos latente é o do Galaxy S7, o telefone premium da Samsung. A fabricante emprega processador quad-core Snapdragon 820, da Qualcomm, nos Estados Unidos, enquanto o produto nacional conta com o Exynos 8890, de fabricação própria. Há diferenças entre eles comprovadas em testes de benchmark, mas nada que chegue a assustar. Os executivos da sul-coreana costumam dizer que, independentemente do chipset, o desempenho fica muito próximo, sem diferenças gritantes.

Assista ao vídeo sobre o anúncio do Galaxy S7 durante a feira de celulares de Barcelona (MWC 2016)

Testes conduzidos pelo site estrangeiro PhoneArena comprovaram que o S7 com Snapdragon se saiu melhor em seis das nove avaliações, enquanto o Exynos venceu três – inclusive o teste relacionado com navegação na web.

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.