Não está com tempo de ler? Ouça este conteúdo.

Com os altos preços praticados no Brasil, principalmente agora com a alta do dólar, uma alternativa que tem feito parte das escolhas de muitos brasileiros para adquirir produtos mais em conta é a compra de produtos usados. Neste caso, comprar uma câmera usada exige atenção a alguns detalhes antes de fechar negócio, pois nem sempre sabemos se o vendedor está agindo de boa fé. 

O que levar em consideração antes de comprar uma câmera semiprofissional?

Se estiver pensando em adquirir uma DSLR, por exemplo, que já teve outro dono, confira algumas dicas do que conferir antes para não ter uma surpresa desagradável. 

Câmera Sony mirrorless (Foto: Divulgação/Sony)Tenha atenção aos detalhes antes de comprar uma câmera usada (Foto: Divulgação/Sony)

1- Observar como veio a lente

Muitas vezes chega a ser a parte mais cara que o próprio corpo de uma câmera DSLR, por isso, é preciso observar bem o estado da lente. A primeira vista, veja se há algum sinal de queda, amassado ou arranhão no vidro. Um problema muito comum é a presença de fungos na parte interna, o ideal é que analise em um ambiente bem iluminado, pois se houver algum foco, vai ser possível ver pelo vidro da lente.

Quanto ao funcionamento, encaixe a lente no corpo da câmera e veja se encaixa perfeitamente, se sim, ligue a câmera e teste o zoom e o foco manual e automático. Bata algumas fotos e veja se há alguma mancha na imagem. Se após ter feito tudo isso, podemos considerar que a lente está ok.

Marcas físicas na lente poderão ser vistas logo a primeira vista. (Foto: TechTudo/Karen Malek)Marcas físicas na lente poderão ser identificadas logo a primeira vista. (Foto: TechTudo/Karen Malek)

2- Questões físicas da câmera 

O vendedor pode até tentar enganar que nunca houve alguma queda, mas isso vamos ver quando observarmos se há sinais de queda. É preciso analisar cada borda e extremidade de câmera para ver se há alguma marca, pois a queda muitas vezes pode ser prejudicial para parte interna.

O tempo de uso da câmera pode ser medido por um gasto físico de seus acessórios, como por exemplo pela correia que pendura ao pescoço, se nunca foi trocada, vai denunciar o quanto já foi usada. Ou por um botão desgastado. O que não significa problema de funcionalidade, mas sim, tempo de uso.

Marcas de queda podem denunciar problemas internos da câmera (Foto: Divulgação/Sony)Marcas de queda podem denunciar problemas internos da câmera (Foto: Divulgação/Sony)

3- Contagem de cliques e Vida útil do obturador

Essa é a parte que vai denunciar o quanto a câmera já trabalhou. Convenhamos que isso não significa que a câmera seja velha ou nova, pois há casos em que uma câmera mais recente já fotografou muito mais que uma mais antiga guardada dentro do armário.

Esse ponto é importante, pois a partir de um determinado números de cliques, a câmera vai parar de funcionar, apesar de não sabermos exatamente a quantidade pra isso, há uma média de alguns modelos. No site Olegkikin é possível descobrir a média de cliques dos modelos mais conhecidos. 

Para checar o número de cada câmera, basta fazer upload no My Shutter Count de uma foto tirada pela câmera.  É importante que não esteja editada.

Veja dicas para aumentar a vida útil da bateria da sua câmera fotográfica (Foto: Luciana Maline/ TechTudo) (Foto: Veja dicas para aumentar a vida útil da bateria da sua câmera fotográfica (Foto: Luciana Maline/ TechTudo))Checar a vida útil do obturador também é de grande importância (Foto: Luciana Maline/ TechTudo)

Download grátis do app do TechTudo: receba dicas e notícias de tecnologia no Android ou iPhone

4- Sensor de imagem

 A captura da foto é feita pelo sensor, por isso, é necessário verificar o estado dele. A primeira coisa é tirar uma foto com a abertura bem fechada, como f22, e bem desfocada de uma superfície uniforme, logo após abra a foto no computador e veja se há pontos de sujeira ou manchas na foto. Feito isso, verifique o próprio sensor, para isso basta desencaixar a lente e olhar para o sensor e ver se tem alguma parte danificada, se há riscos, alguma marca permanente.

5- Tela LCD e botões físicos

 A tela LCD é fundamental para observar rapidamente o que foi capturado, então, uma câmera com um LCD ruim pode trazer prejuízos irrecuperáveis, pois momentos não voltam atrás. Ligue o LCD e confira se não há partes embaçadas, quebradas ou com manchas pretas. Caso o modelo seja touchscreen, teste todos os pontos da tela para conferir se não há ponto cego com pixels mortos. Caso não seja sensível ao toque, teste todos os botões e veja se todos estão funcionando corretamente.

Importante verificar se não há pixels mortos na tela LCD e funcionamento dos botões. (Foto: Adriano Hamaguchi/TechTudo)Importante verificar se não há pixels mortos na tela LCD e funcionamento dos botões. (Foto: Adriano Hamaguchi/TechTudo)

6- Entradas

As câmeras normalmente possuem entradas de microfone, de bateria, do cartão de memória, micro USB, entre outras. É importante abrir todos esses slots e verificar se todos eles estão funcionando, pois caso o aparelho tenha entrado em contato com a água, há possibilidade ter oxidado ou parado de funcionar. 

Testar funcionamento de todas as entradas e se não houve contato com água. (Foto: Adriano Hamaguchi/TechTudo)Testar funcionamento de todas as entradas e se não houve contato com água. (Foto: Adriano Hamaguchi/TechTudo)

Como recuperar fotos apagadas da câmera digital? Comente no Fórum do TechTudo

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.