Não está com tempo de ler? Ouça este conteúdo.

O Windows 10 pode variar conforme a região. Existem, por exemplo, versões N e KN do sistema operacional da Microsoft distribuídas em países da Europa e na Coreia do Sul, que trazem algumas diferenças curiosas em relação ao Windows 10 padrão, a que todos estamos acostumados. O “N” significa “not with Media Player” (“sem o Windows Media Player”, em tradução livre) e o “K” faz alusão à Coreia. Essas restrições fazem parte do Windows em todas as suas edições, desde o Windows Vista. Abaixo, você vai entender melhor qual é a diferença entre o Windows 10 brasileiro, por exemplo, e o Windows 10 vendido na União Europeia.

Como forçar o download e a instalação do Windows 10 no seu computador

Windows 10 N

A edição N do Windows 10 é voltada para o mercado europeu e ela não conta com o Windows Media Player, além das tecnologias de mídia relacionadas a ele, como ferramentas de reprodução de música, vídeo, gravador de voz, além do Skype pré-instalado. Um consumidor que adquira um computador novo em algum país da União Europeia em viagem, por exemplo, acaba, então, levando para casa um Windows 10 um pouco diferente.

Windows 10 tem versões sem capacidades de reprodução de mídia (Foto: Isabela Giantomaso/TechTudo)Windows 10 tem versões sem capacidades de reprodução de mídia (Foto: Isabela Giantomaso/TechTudo)

Entretanto, para fazer uso do Windows Media Player e dos recursos do sistema, indisponíveis na versão N do Windows 10, basta ao usuário buscá-los via Windows Update e instalá-los nos seus computadores.

Windows 10 KN

A edição KN do Windows 10, por outro lado, destina-se ao mercado sul-coreano e, assim como o que acontece na edição europeia do sistema operacional, ela chega ao usuário asiático sem os componentes do Windows Media Player e Skype.

Windows Media Player é excluído das verões N e KN (Foto: Reprodução/Filipe Garrett)Windows Media Player é excluído das verões N e KN (Foto: Reprodução/Filipe Garrett)

Assim como a edição N, usada no mercado europeu, o Windows 10 coreano permite que o usuário adicione esses recursos e aplicativos ausentes. A Microsoft oferece o Media Feature Pack para Windows 10 N e KN como atualização opcional gratuita do sistema.

Quais são as diferenças?

Mencionar o Windows Media Player em termos de Windows 10 pode parecer um pouco estranho, já que o sistema da Microsoft não usa mais o reprodutor como app padrão. Contudo, é preciso considerar que esse player ainda é distribuído com o sistema e que há alguns anos, especialmente no começo dos anos 2000, o aplicativo era onipresente em termos de mídia nos PCs.

Além disso, as tecnologias do Windows que são responsáveis por uma série de funcionalidades de mídia têm origem no Media Player e acabam, muitas vezes, levando o seu nome.

A seguir, você confere a lista com todos os componentes que são excluídos dos Windows N e KN:

– Windows Media Player;
– Windows Media Player ActiveX;
– Windows Media Format;
– Windows Media DRM;
– Compartilhamento de mídia e Play To;
– Media Foundation;
– Infraestrutura Windows 8.1 Portable Devices (WPD);
– Codecs de áudio MPEG, WMA, AAC, FLAC, ALAC, AMR e Dolby Digital;
– Codecs de vídeo VC-1, MPEG-4, H.264, H.265 e H.263;
– Aplicativo Música;
– Aplicativo Vídeo;
– Gravador de Voz;
– Skype

Ainda em dúvida se o Windows 10 vale a pena? Troque dicas no Fórum do TechTudo.

Mas por que existem essas versões?

Não parece fazer sentido a Microsoft se dar ao trabalho de criar versões com menos recursos do seu sistema operacional apenas para dificultar a vida do consumidor que precisará, caso precise do Media Player e seus componentes, baixá-los individualmente.

Usuários podem baixar pacote que traz o Media Player de volta ao Windows 10 (Foto: Reprodução/Filipe Garrett)Usuários podem baixar pacote que traz o Media Player de volta ao Windows 10 (Foto: Reprodução/Filipe Garrett)

E não faz mesmo. A questão é que, ao longo dos anos, a Microsoft tem enfrentado batalhas nos tribunais da União Europeia e de alguns outros países contra acusações de monopólio de mercado.

Em alguns lugares, o domínio do Windows é visto como prejudicial ao mercado porque compromete a competitividade e tende a forçar uma gama de produtos da Microsoft aos consumidores, eliminando as opções de escolha e prejudicando desenvolvedores locais.

Nesse sentido, em 2004, a União Europeia obrigou a Microsoft a criar versões do sistema operacional sem nenhuma capacidade de reprodução de mídia pré-instalada.

A decisão foi motivada pelo absoluto domínio do Windows com Media Player que, na visão das autoridades, cerceava as opções do consumidor em encontrar opções de reprodutores de mídia, já que o aplicativo vinha embutido no Windows.

O mesmo caso acabou repercutindo em outros países. Em 2006, a comissão de justiça de comércio da Coreia do Sul seguiu o exemplo europeu, julgando a Microsoft culpada de práticas de monopólio.

Via Microsoft 1, 2, Economist, WinSupersite

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.