Os SSDs, assim como os HDs tradicionais, usam a interface SATA para se conectarem às placas-mãe atuais, mas muita gente não sabe que há diferentes versões e gerações. A mais recente é a SATA III. Porém, ainda é possível encontrar placas-mãe que oferecem portas SATA II.
Qual a diferença entre HD SATA e HD ATA? Veja detalhes dos discos rígidos Ao comprar um SSD novo, por exemplo, o usuário encontra na lista de especificações técnicas que o acessório é compatível com o padrão SATA III. Mas será que é possível ligá-lo em uma porta SATA II? Neste artigo, você irá entender o que é essa padrão SATA e se é possível usar os SSDs atuais em portas de gerações anteriores. O que é o padrão SATA? SATA, também chamado de Serial ATA, é uma tecnologia de transferência de dados entre dispositivos de armazenamento em massa e um computador, como HD, SSD e até mesmo o seu leitor óptico. A interface é a substituta do padrão IDE que, com o surgimento do padrão SATA, passou a ser chamado de PATA (Parallel ATA). Como o nome dos dois padrões deixam clara, os cabos SATA transferem dados em série, ou seja, um atrás do outro; enquanto que o PATA transporta dados em paralelo, utilizando mais de uma via para isso.
Disco rígido PATA (IDE) e SATA (Foto: Divulgação/ Adata)
À primeira vista, o padrão PATA pode ser mais vantajoso, por enviar mais de um bit por vez. Mas isso não é verdade. Os cabos PATA (IDE) possuem 40 fios, alguns possuem até 80 fios. Isso deixava ele muito largo e difícil de manusear. Além disso, ele é muito mais suscetível a ruídos e falhas de transferência. Já os cabos SATA só utilizam quatro fios, um par para transmissão e outro par para recepção (no total, são sete fios, os outros três são “terra”). Isso permite a confecção de cabos muito mais finos, flexíveis e totalmente imunes à ruídos. Assim, a taxa de transferência é muito mais confiável e rápida.
Download grátis do app do TechTudo: receba dicas e notícias de tecnologia no Android ou iPhone Diferenças entre os padrões SATA, SATA II e SATA III As principais diferenças entre as três gerações do padrão SATA está na velocidade máxima de transferência. A primeira versão, também chamada de SATA 150, tem a capacidade de transferir dados a uma taxa de 150 MB/s. Isso em teoria e em condições ideias, vale ressaltar.
Cabos SATA de transmissão de dados (Foto: Reprodução/Google)
Já o SATA II, ou SATA 300, dobrou essa velocidade de transferência para 300 MB/s. O mesmo aconteceu com o SAT...


>>> Veja o artigo completo no TechTudo

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.