Não está com tempo de ler? Ouça este conteúdo.

As companhias aéreas norte-americanas não são mais obrigadas a emitir alertas sobre o Galaxy Note 7 em voos. A ordem de notificar passageiros entrou em vigor em setembro de 2016 pela autoridade de aviação dos Estados Unidos quando o celular da Samsung apresentou problemas na bateria. Companhias aéreas brasileiras passaram a repetir o mesmo aviso, mas nos últimos dias os passageiros já não ouvem a mensagem sobre os riscos de carregar um Note 7 no avião.

O alerta foi ocasionado por diversos casos de smartphones que explodiram ou pegaram fogo. Segundo a Samsung, mais de 90% das unidades vendidas já foram devolvidas.

Explosão do Galaxy Note 7: Samsung explica motivos para celular pegar fogo

No caso dos aparelhos ainda em funcionamento, a empresa, junto com as operadoras de telefonia móvel, liberou atualizações de softwares que desativam o Galaxy Note 7 remotamente, inutilizando o aparelho. Apesar do aviso deixar de ser obrigatório nos voos, o sucessor do Galaxy Note 5 continua proibido em aviões de passageiros e de carga dos EUA.

A Administração da Aviação Federal dos Estados Unidos (FAA) afirma que os avisos em aviões foram dispensados por conta do recall feito pela Samsung e da compreensão dos usuários quanto aos perigos do Galaxy Note 7. Segundo nota do órgão à imprensa, “o Departamento de Transportes eliminou a exigência de notificações aos passageiros pelas companhias aéreas devido ao alto nível de conscientização pública desde a emissão da ordem de proibição”.

Smartphones que passaram por recall também apresentaram explosões (Foto: Divulgação/Samsung)Smartphones Galaxy Note 7 que passaram por recall também apresentaram explosões (Foto: Divulgação/Samsung)

Aplicativo do TechTudo: receba dicas e notícias de tecnologia no seu celular

Bateria causou explosões

A Samsung encerrou a fabricação do Note 7 no ano passado e, em janeiro de 2017, a empresa explicou os motivos para o celular pegar fogo. De acordo com a fabricante, testes com smartphones devolvidos indicaram falhas na bateria que tornavam o aparelho propenso a explosão.

Os problemas foram identificados tanto no projeto original, que foi vendido logo após o lançamento em mais de dez países, como nos modelos atualizados após o recall da empresa.

Entre estes últimos, supostamente “seguros”, um aparelho pegou fogo dentro de um avião nos EUA antes da decolagem. O Note 7 tinha os dois indicadores para conferir se o celular estava “livre de risco” e, segundo o dono do smartphone, uma fumaça começou a sair do modelo assim que o aparelho foi colocado no bolso.

A caneta S Pen do Galaxy Note 7 ganhou novas funções (Foto: Ana Marques/TechTudo) (Foto: A caneta S Pen do Galaxy Note 7 ganhou novas funções (Foto: Ana Marques/TechTudo))Galaxy Note 7 prometia concorrer com iPhone 7 (Foto: Ana Marques/TechTudo)

O Galaxy Note 7 não chegou a ser vendido no Brasil, apesar da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) ter seguido a medida da autoridade norte-americana para companhias aéreas com destino ao país ou em voos domésticos alertarem passageiros antes da decolagem devido ao risco de explosão e incêndio. O preço do celular no mercado nacional seria de R$ 4.299 e o modelo, com memória RAM de 4 GB, tela Super AMOLED e scanner de íris, prometia concorrer com o iPhone 7, da Apple.

Xperia Z5 Premium ou Galaxy S7 Edge, qual celular comprar? Comente no Fórum do TechTudo.

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.