Não está com tempo de ler? Ouça este conteúdo.

Como solução para aumento de eficiência em futuras gerações de processadores, a Intel pode criar novas CPUs usando chips de arquiteturas diferentes em um mesmo produto. Isso seria possível graças ao EMIB, tecnologia que permite a conexão entre múltiplos chips dentro de uma única CPU. 

Conheça as diferenças entre os processadores da sétima geração da Intel

Assim, um processador criado com essa tecnologia poderia ter núcleos de 10 nm para a melhor performance possível, enquanto usaria outros componentes menos cruciais criados com processos de manufatura de 14 ou 22 nm, por exemplo. O objetivo dessa mudança é aumentar a eficiência, reduzir os custos de desenvolvimento e fabricação e aumentar a otimização dos processadores.

Processador Stratix 10 das placas FPGA da Intel já conta com a tecnologia EMIB (Foto: Divulgação/Intel)Processador Stratix 10 das placas FPGA da Intel já conta com a tecnologia EMIB (Foto: Divulgação/Intel)

Mas por que isso é importante? A resposta é otimização. Hoje, processadores são fabricados num único processo, que também chamamos de arquitetura. Em linhas gerais, isso significa que os núcleos de um Core i7 são feitos com o mesmo processo de fabricação do que seus controladores e outros componentes menos importantes.

Aplicativo do TechTudo: receba as melhores dicas e últimas notícias no seu celular

A ideia da Intel é aplicar o EMIB para permitir que um processador possa ser fabricado de forma mais modular. Enquanto seus núcleos podem continuar usando a arquitetura de ponta mais recente para ter a melhor performance possível, elementos menos importantes do ponto de vista do processamento, como controladores de energia, podem ser feitos com processos de manufatura menos refinados, resultando em diminuição dos custos de fabricação e desenvolvimento.

Ideia é criar designs de processadores que possam ter caráter mais modular, reduzindo custos e permitindo maior nível de otimização (Foto: Divulgação/Intel)Ideia é criar designs de processadores que possam ter caráter mais modular, reduzindo custos e permitindo maior nível de otimização (Foto: Divulgação/Intel)

Não é a primeira vez que a Intel testa a ideia de misturar chips diferentes em seus produtos: os primeiros Pentium Pro e os Core 2 Quad usavam um design com múltiplos chips diferentes, embora a conexão entre cada módulo não tivesse o mesmo refinamento tecnológico do EMIB. Em relação ao EMIB em si, a Intel já aplicou essa tecnologia na confecção dos chips Stratix 10, usados em placas FPGA (placas de desenvolvimento que não chegam ao consumidor comum).

Via PC World

Qual GPU é melhor para jogos atuais? Comente no Fórum do TechTudo 


Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.