A ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) aprovou no dia 2 de maio a regulamentação para o uso de drones no Brasil. As novas regras têm como objetivo garantir a segurança de pilotos e pessoas que estejam em locais próximos a um voo. As normas seguem padrões semelhantes aos estabelecidos em países como Estados Unidos e Austrália, onde há um fluxo ainda maior das aeronaves não tripuladas.
Phantom 4 Advanced: drone da DJI chega com câmera 4K e obturador mecânico A seguir, confira dez detalhes sobre as regras recém-determinadas e garanta que seu voo com o drone esteja dentro de todas as normas nacionais. Entre os principais pontos do regulamento estão a distância que os aparelhos devem ficar das pessoas e a habilitação obrigatória para alguns modelos.
ANAC regulamenta operação de drones; distâncias, locais de pouso e cadastros devem seguir nova regulamentação (Foto: Anna Kellen Bull/TechTudo)
Aeromodelos x Aeronaves Remotamente Pilotadas (RPA) Antes de conhecer as novas regras da ANAC é importante saber a diferença entre aeromodelos e aeronaves remotamente pilotadas, também chamadas de RPAs. A primeira categoria de drones se refere à todos os modelos com finalidade recreativa, enquanto a segunda indica aviões cujo objetivo do voo é comercial, corporativo ou experimental. A divisão é essencial para o entendimento de algumas das normais atuais.
1) Classificação RPA As aeronaves remotamente pilotadas, com finalidades comerciais, corporativas e experimentais, como já citado, são agora divididas em três classes de...

>>> Veja o artigo completo no TechTudo

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.