O Google anunciou nesta segunda-feira (2) uma nova estratégia para distribuição de notícias na Internet que acaba com a política do "primeiro clique grátis". A empresa deixa de exigir que veículos de mídia ofereçam pelo menos três artigos gratuitos diariamente para aparecerem nos resultados de buscas.
O objetivo é dar mais autonomia a jornais e revistas online para encontrar novas formas de ganhar assinantes. A partir de agora, os editores decidem quantos acessos grátis os usuários podem ter antes de começar a pagar um serviço de assinatura. Roda de surpresas celebra aniversário do Google
Google dá mais autonomia a jornais e anuncia medidas de apoio ao jornalismo online (Foto: Divulgação/Google)
Um modelo mais flexível Em vez de exigir pelo menos três notícias gratuitas por dias, o Google opta por um modelo de "amostragem flexível" no qual os editores podem decidir quantos artigos gratuitos desejam oferecer a potenciais assinantes, por mês, antes de exibir o "paywall" — mecanismo que bloqueia o acesso a mais conteúdo. A mudança é baseada em pesquisas e testes feitos com jornais como o New York Times e o Financial Times. De acordo com a gigante das buscas, em um contexto mensal, 10 artigos gratuitos por mês é um bom ponto para a maioria dos editores de jornais online. "O Financial Times vê com bons olhos as contribuições e ações do Google para ajudar essa área crítica da indústria de mídia e trabalhamos muito próximos a eles para ajudá-los a entender as necessidades que os editores têm e como é possível ajudar", afirma o gerente comercial do jornal.
Com a novidade, os veículos de notícias podem escolher a melhor maneira de atrair seus leitores sem perder um lugar entre os resultados de pesquisa do Google. A empresa suspende a política restritiva de notícias grátis todo dia e começa a trabalhar junto com jornais para encorajar mais veículos a entrarem no seu modelo de distribuição. Com a possibilidade do próprio editor decidir sobre o conteúdo gratuito, a ideia é atrair mais fontes de notícias para o Google, incluindo as buscas, o Google Notícias e o Google Play Banca, que funciona em aparelhos com sistema Android.
Pagamento O Google acredita que as dificuldades de cadastro e de pagamento estão entre as principais causas do baixo número de usuários pagantes em diversos jornais e revistas com presença online. Por isso, o próximo passo é facilitar o processo de assinatura de notícias. A intenção da empresa é permitir assinaturas com um cliqu...


>>> Veja o artigo completo no TechTudo

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.