Não está com tempo de ler? Ouça este conteúdo.
email facebook googleplus pinterest twitter whatsapp

Dois pesquisadores independentes da Universidade Católica de Leuven (KU Leuven), na Bélgica, reportaram nesta segunda-feira ter encontrado uma falha de segurança em conexões Wi-Fi. Mathy Vanhoef e Frank Piessens detectaram uma vulnerabilidade no protocolo WPA2, que garante que todas as redes de Internet sem fio estejam protegidas. Ainda não há notícia de que a brecha tenha sido explorada por hackers. Porém, atacantes podem se aproveitar dessa lacuna para roubar informações confidenciais em sites sem https, como senhas ou números de cartão de crédito.

"Se o seu dispositivo suportar Wi-Fi, provavelmente será afetado”, disse a dupla no site krackattacks.com, que criaram para fornecer informações técnicas do caso.

Se o seu dispositivo suportar Wi-Fi, provavelmente será afetado

Vanhoef teria realizado um novo tipo de ataque handshake de quatro vias sobre o protocolo WPA2. Isso significa que o pesquisador encontrou uma maneira de contornar a segurança oferecida pelo protocolo de rede. Sempre que alguém se conecta em uma rede Wi-Fi, um handshake é executado para criar uma nova chave de criptografia para todo o tráfego que vai existir a partir daquela conexão.

O handshake (aperto de mão, em português) é o nome do processo pelo qual duas máquinas firmam um acordo, em que uma reconhece a outra e instituem que estão prontas para iniciar a comunicação sem interferências. Para garantir a segurança dessa conversa, uma chave deve ser instalada e usada apenas uma vez.

O que a dupla fez foi um ataque que usa a reinstalação de uma chave (krack ataque). Sendo assim, um invasor pode enganar a vítima para reinstalar uma chave que já está em uso, o que permite ao atacante roubar informações trocadas nesta rede. O ataque, porém, não tem alcance sobre os pontos de acesso (máquinas), mas apenas sobre o tráfego que acontece na rede ao explorar a falha.

"Descobrimos falhas graves no WPA2, um protocolo que assegura todas as redes Wi-Fi protegidas modernas. Um invasor ao alcance de uma vítima — ou seja, próximo do roteador, celular ou computador — pode explorar essas vulnerabilizades usando ataques de reinstalação de chaves (KRACKs)", diz o documento divulgado pela dupla nesta manhã, causando forte preocupação.

Os ataques funcionaram contra redes Wi-Fi pessoais e corporativas, contra o protocolo WPA — mais antigo — e o padrão WPA2 — mais recente — e também contra redes que usam apenas o protocolo AES. A reação do setor foi imediata.

Corrida contra o tempo

O Wi-Fi Alliance, grupo da indústria que representa centenas de empresas que trabalham com tecnologia Wi-Fi, disse que o problema poderia ser resolvido através de uma atualização de software. Em comunicado, a instituição sugeriu que seus membros liberem rapidamente correções e recomendem que os consumidores instalem "para ontem" essas atualizações de segurança.

"A Wi-Fi Alliance agradece a Mathy Vanhoef e a Frank Piessens, do grupo de pesquisa imec-DistriNet, da KU Leuven, por descobrir e reportar de forma responsável esta questão, permitindo que a indústria preparasse proativamente as atualizações, encerra o grupo em comunicado à imprensa internacional.

Update: Microsoft e Google se comprometem com correção de falha no Wi-Fi

Como a falha pode ser explorada

Ainda de acordo com os pesquisadores, os atacantes podem usar esta nova técnica de ataque para ler informações que, até o momento, eram assumidas como encriptadas e seguras por todo o setor de tecnologia. Ao aproveitar uma técnica como essa, hackers podem roubar números de cartão de crédito, senhas, acessar suas mensagens de bate-papo e e-mails, fotos e outros dados enviados.

Dependendo da configuração da rede de Internet, o ataque também pode injetar e manipular dados que estejam sendo trocados. Um invasor poderia, até mesmo, injetar vírus como ransomware em sites. Vale notar que a dupla detalha que a falha está no protocolo de rede e não no hardware dos produtos especificamente. O que torna todos os aparelhos conectados vulneráveis a interceptação de dados.

No caso de a vítima usar os protocolos de criptografia WPA-TKIP ou GCMP, o impacto é maior. O mesmo ataque permite que um adversário não apenas decifre como mas também injete pacotes, alterando sites receptores desses dados.

Sistemas operacionais afetados

Para evitar o ataque, os usuários devem atualizar o sistema que opera as máquinas conectadas e realizar todas as atualizações de segurança que estiverem disponíveis. "Durante nossa pesquisa inicial, descobrimos que o Android, Linux, Apple (iOS e macOS), Windows, OpenBSD, MediaTek, Linksys e outros sistemas, são afetados por alguma variante dos ataques", explica a pequisa divulgada.

Como prova de conceito, foi mostrada a reinstalação da chave de rede em um smartphone com Android — sistema operacional do Google. No vídeo divulgado pela dupla, o invasor foi capaz de desencriptar todos os dados transmitidos.

"Para um atacante isso é fácil de realizar, o ataque é excepcionalmente devastador contra Linux e Android 6.0 ou superior", disseram. Em outros dispositivos, entretanto, mostrou-se mais difícil decifrar todos os pacotes trocados, completam. Mesmo assim muitos dos dados trocados puderam ser interceptados online.

E, embora sites ou aplicativos de celulares possam usar o protocolo https como uma camada adicional de proteção, a pequisa lembra que essa proteção extra de segurança foi ignorada em um número preocupante de situações já testadas em apps não-navegadores mas que acessam páginas no iOS, no Mac OS X, no Android, em aplicativos bancários e até mesmo em aplicativos de VPN.

Os ataques dispensam que o hacker descubra a senha do Wi-Fi do usuário. Trocar a senha do roteador, por exemplo, não vai funcionar para proteger-se, neste caso. Entretanto, os ataques são complicados e demandam que o atacante tenha conhecimentos bastante específicos. A pesquisa completa por trás do ataque ao WPA2 será apresentada na conferência Computer and Communications Security (CCS) e na Black Hat Europe. Até lá, fabricantes correm para corrigir a falha.

Enquanto isso não acontece, contra a falha, a conexão por cabo é a mais segura.

Tem dúvidas sobre segurança digital? Comente no Fórum do TechTudo.

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.