Não está com tempo de ler? Ouça este conteúdo.
email facebook googleplus pinterest twitter whatsapp

A FSP revelou a FSP2000-A0AGPBI, uma fonte com 2.000 W de capacidade na última quinta-feira (23). O modelo chama a atenção não só pela potência, mas também pelas suas especificações. Voltada para sistemas de mineração de Bitcoin, o componente conta com uma série de proteções contra falhas elétricas. Por enquanto, a empresa não anunciou o preço e nem a data em que o produto chega às lojas.

Com certificação 80 Plus Platinum, a fonte FSP2000-A0AGPBI traz um design de circuito PFC (Power Factor Correction) exclusivo, com a promessa de suportar altas cargas.

Modelo da FSP traz design semelhante a fonte comum  (Foto: Divulgação/FSP)Modelo da FSP traz design semelhante a fonte comum  (Foto: Divulgação/FSP)

Modelo da FSP traz design semelhante a fonte comum (Foto: Divulgação/FSP)

Minerar Bitcoin está cada vez mais difícil. Isso porque a blockchain se ajusta para aumentar a dificuldade de conseguir a moeda, conforme o aumento da demanda. Por isso, é muito difícil minerar com um computador comum. É necessário utilizar máquinas específicas, geralmente com várias placas de vídeo ligadas em conjunto, para entregar um poder computacional suficiente para extrair a criptomoeda.

Pensando nisso, a FSP lançou uma fonte com 2.000 W. Para garantir a proteção dos componentes contra oscilações de energia, o modelo conta com proteção contra curto-circuito sobre as saídas e tensão. O produto também possui uma tolerância maior para altas temperaturas, característica importante para ligar vários componentes que necessitam de alta carga ao mesmo tempo.

Ao todo, a fonte é capaz de aceitar até 16 placas de vídeo PCI-e ligadas simultaneamente. Todos os conectores são de 6+2 pinos. O modelo trabalha com a tensão de 90V a 264V. Além disso, os componentes também são reforçados para trabalhar com altas cargas. De acordo com a fabricante, o aparelho está de acordo com os padrões de segurança adotado pela maioria dos países.

FSP lança fonte de computador com 2.000 W para mineração de Bitcoin (Foto: Divulgação/FISL)FSP lança fonte de computador com 2.000 W para mineração de Bitcoin (Foto: Divulgação/FISL)

FSP lança fonte de computador com 2.000 W para mineração de Bitcoin (Foto: Divulgação/FISL)

Minerar Bitcoin: alto consumo de energia

Minerar Bitcoin não é barato. Além do investimento alto em hardware específico, o custo da energia também é um dos entraves. Uma pesquisa divulgada na semana passada mostrou o crescimento da demanda por eletricidade das máquinas ligadas ao blockchain da criptomoeda.

De acordo com o estudo, minerar Bitcoin já consome mais eletricidade do que 159 países juntos. Nos últimos 30 dias, quando o preço da moeda bateu recorde, houve um aumento de 30% na demanda por energia. Se mantiver esta taxa de crescimento, em 2020 minerar bitcoin pode gastar mais eletricidade do que todos os países do mundo.

Como minerar bitcoin? Veja dicas no Fórum do TechTudo.

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.