O Google anunciou uma nova política que visa banir da Play Store os aplicativos que usam a tela de bloqueio do Android para exibir anúncios. A empresa mudou as regras para desenvolvedores, que passam a ser proibidos de explorar a tela bloqueada do celular ou tablet para mostrar banners de propaganda. A única exceção vai para apps feitos especificamente para substituir a interface nativa de bloqueio, como o Next Lock Screen, da Microsoft.
A mudança afeta apps gerenciadores de arquivos, assistentes de limpeza de memória, jogos e outros programas que costumavam incrementar o faturamento com publicidade mesmo quando o telefone estava travado com senha.
Google Play Store: como resolver os principais problemas Android é alvo de vírus que rouba dados bancários; conheça o BankBot Na página da central de políticas para desenvolvedores de apps Android, o Google não deixa margem para dúvida. “Os apps não podem apresentar anúncios ou recursos que gerem receita a partir da tela bloqueada de um dispositivo, a menos que o único objetivo do app seja oferecer o serviço de tela de bloqueio”, diz a nova regra, liberando anúncios somente em apps do tipo “lock screen”.
Amazon e Samsung A medida pode afetar uma modalidade de comercialização da Amazon, que oferece celulares com desconto em troca de anúncios na tela de bloqueio. A propaganda é gerida no aparelho pelo app Amazon Offers, que tende a ser banido com a vigência da nova política do Google. Os smartphones em oferta com publicidade não são comercializados pela Amazon no Brasil. A Samsung é outra empresa que costuma mostrar anúncios na tela de bloqueio de seus aparelhos. Como o encaminhamento de banners não funciona por um app, pois é integrado ao sistema, é possível que o comportamento de celulares da fabricante se mantenha m...


>>> Veja o artigo completo no TechTudo

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.