Não está com tempo de ler? Ouça este conteúdo.
email facebook googleplus pinterest twitter whatsapp

A tecnologia planar-magnética marcou presença no lançamento do CL2 Planar da RHA, primeiro fone de ouvido intra-auricular com o novo recurso. A novidade chama a atenção por prometer maior qualidade de som sem custar as fortunas dos fones eletroestáticos. Nessa tecnologia, o controle de vibrações do áudio é mais preciso do que no modelo simples de driver dinâmico.

Quer comprar um fone de ouvido barato? Encontre os melhores preços no Compare TechTudo

Assim, os aparelhos planar-magnéticos chegam com a promessa de alta qualidade de som, menos interferências e preços mais competitivos. Nas linhas a seguir, entenda como funciona o fone de ouvido planar-magnético e conheça as diferenças em relação aos headphones tradicionais. Além disso, descubra vantagens e desvantagens da nova tecnologia.

RHA CL2 Planar é o fone inovador da marca norte-americana a adaptar a tecnologia para versões compactas e sem fio (Foto: Divulgação/RHA)RHA CL2 Planar é o fone inovador da marca norte-americana a adaptar a tecnologia para versões compactas e sem fio (Foto: Divulgação/RHA)

RHA CL2 Planar é o fone inovador da marca norte-americana a adaptar a tecnologia para versões compactas e sem fio (Foto: Divulgação/RHA)

Como fones comuns funcionam?

Não só fones de ouvido, mas também todo alto-falante comum (que não seja planar-magnético) funciona com um conjunto de imãs, diafragmas e com indução eletromagnética. O conjunto forma o chamado “driver dinâmico”. Nesse design, o som é transmitido eletricamente a uma bobina, envolta por um imã. Conforme a energia passa, a bobina se contrai e se expande (em fones de ouvido, trata-se daquele círculo de cobre no entorno do diafragma).

A contração e expansão da bobina faz com que o diafragma – a membrana no interior do fone de ouvido, ou a concha de tecido do alto-falante – vibre. Assim, o componente movimenta o ar no seu entorno e produz o som.

O sistema tradicional domina o mercado porque é de fabricação relativamente simples e bem escalável. A mesma abordagem permite a criação de produtos com menor performance, mas custos mais controlados, e também dispositivos de alta qualidade de som – mas, nesse caso, há o uso de designs mais caros do ponto e materiais especiais, como o neodímio.

Drivers eletroestáticos

Fones eletrostáticos da Shure custam US$ 3.000 (Foto: Divulgação/Shure)Fones eletrostáticos da Shure custam US$ 3.000 (Foto: Divulgação/Shure)

Fones eletrostáticos da Shure custam US$ 3.000 (Foto: Divulgação/Shure)

Acima falamos sobre alguns tipos de drivers dinâmicos com designs diferentes e que rendem produtos de maior qualidade (e preço geralmente bem mais alto). Um caso típico são os drivers eletroestáticos.

Nesse modelo, diafragma e bobina viram basicamente um componente só. O diafragma reativo à eletricidade fica envolto entre duas placas, por onde a corrente elétrica se propaga. A passagem de corrente por essas duas faces faz com que o diafragma eletroestático vibre, mais uma vez provocando a reprodução de som.

Essa solução rende som de alta qualidade porque o controle sobre as vibrações é mais preciso do que no modelo simples de driver dinâmico. O problema é que fones com essa construção precisam de drivers proporcionalmente maiores para gerar alto volume. Outra questão são os custos: o Shure KSE1500 é um caso típico de fone com driver eletroestático e não sai por menos de US$ 3 mil, ou R$ 12.478 em conversão direta.

E o que é o planar-magnético?

Driver dinâmico é a solução mais comum: bobina (segundo par de aneis da direita para a esquerda) provoca a vibração do diafragma (primeiro anel da direita para a esquerda) (Foto: Divulgação/Pioneer)Driver dinâmico é a solução mais comum: bobina (segundo par de aneis da direita para a esquerda) provoca a vibração do diafragma (primeiro anel da direita para a esquerda) (Foto: Divulgação/Pioneer)

Driver dinâmico é a solução mais comum: bobina (segundo par de aneis da direita para a esquerda) provoca a vibração do diafragma (primeiro anel da direita para a esquerda) (Foto: Divulgação/Pioneer)

O princípio por trás do funcionamento do fone de ouvido planar-magnético é o mesmo dos modelos anteriores. O diafragma reage à eletricidade e, ao vibrar, movimenta o ar em seu entorno – algo que nós percebemos como som.

A questão é que a construção desse tipo de fone usa um diafragma de material muito mais fino e delicado do que as versões de neodímio usadas nos melhores drivers dinâmicos. O diafragma é ainda permeado por pequenos fios e envolto por imãs cuidadosamente desenhados para garantir que o diafragma encaixe precisamente no campo magnético gerado por eles.

A passagem de eletricidade pelos pequenos fios que permeiam o diafragma o faz magnético. Isso quer dizer que o material passa a reagir e mudar de forma de acordo com o campo magnético criado pelos imãs.

Dessa forma, os fones de ouvido podem produzir som de maior qualidade porque o diafragma tende a reagir de forma mais uniforme e precisa à passagem da corrente do que a solução com bobinas dos drivers estáticos. A capacidade de mover o material de forma mais uniforme garante maior resolução de som, qualidade e um sistema muito mais robusto diante de interferências em potencial.

Limitações

Driver planar magnético tende a render som de maior qualidade; mas representa fone mais caro, maior consumo e fones com designs maior (Foto: Divulgação/Oppo)Driver planar magnético tende a render som de maior qualidade; mas representa fone mais caro, maior consumo e fones com designs maior (Foto: Divulgação/Oppo)

Driver planar magnético tende a render som de maior qualidade; mas representa fone mais caro, maior consumo e fones com designs maior (Foto: Divulgação/Oppo)

Entretanto, o planar magnético representa algumas limitações. Para começar, fones do tipo tendem a entregar um som com menos “batidas” do que os melhores drivers dinâmicos. A desvantagem pode ser pior para usuários que desejam ouvir músicas com graves caprichados.

Outra limitação técnica é o consumo de energia, que tende a ser maior. Isso deve dificultar a popularização da nova tecnologia nos fones de ouvido sem fio.

Por fim, há os custos de fabricação mais altos dada a complexidade dos designs e o fato de que, em geral, drivers planar-magnéticos devem ser maiores e destinados aos fones grandes.

Vale a pena?

Para quem quer a maior qualidade possível de som, independente do preço, a melhor escolha ainda são os fones eletroestáticos. Entretanto, para os exigentes e com orçamento menor, o headphone planar-magnético se posiciona como alternativa eficiente – embora seja mais cara do que os fones comuns. Em todo caso, é importante considerar que esse tipo de fone de ouvido exige também equipamentos de qualidade para garantir a maior precisão possível.

Em resumo: não deve adiantar comprar um fone de US$ 1 mil para ouvir MP3 de 128 Kbps. Para o usuário comum, distante de mídias de alta qualidade e equipamentos de maior capricho na reprodução, bons fones de drivers dinâmicos estão disponíveis por preços mais em conta, indo dos R$ 100 a valores na faixa dos R$ 1 mil para quem quiser importar algo mais exclusivo.

Fone de ouvido: cinco dicas para conservar melhor o acessório

Fone de ouvido: cinco dicas para conservar melhor o acessório

Qual melhor marca de fone de ouvido? Comente no Fórum do TechTudo

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.