Não está com tempo de ler? Ouça este conteúdo.
email facebook googleplus pinterest twitter whatsapp

A Overwatch World Cup 2018, mundial do game da Blizzard, teve sua segunda etapa classificatória no último final de semana, com participação da seleção brasileira. Valendo duas vagas para a reta final do campeonato, as equipes do grupo B – Brasil, Canadá, Estados Unidos, Suíça, Noruega e Áustria – se enfrentaram em séries de quatro partidas para decidir quem seguiria na disputa. Infelizmente, não deu para o Brasil.

A seleção brasileira teve um bom desempenho e bateu de frente com as norte-americanas, mas acabou ficando em terceiro lugar, sendo eliminada do torneio. Quem carimbou o passaporte e vai participar das finais do mundial são os times do EUA e Canadá, que acabaram em primeiro e segundo lugar, respectivamente.

Os seis atletas titulares que vestiram a camisa do Brasil na OWWC 2018. (Foto: Reprodução/ Overwatch World Cup)Os seis atletas titulares que vestiram a camisa do Brasil na OWWC 2018. (Foto: Reprodução/ Overwatch World Cup)

Os seis atletas titulares que vestiram a camisa do Brasil na OWWC 2018. (Foto: Reprodução/ Overwatch World Cup)

O elenco verde e amarelo que participou da OWWC foi formado por jogadores da Black Dragons e da Brasil Gaming House, equipe campeã da segunda temporada da Contenders sul-americana. A escalação completa incluiu Eduardo “Dudu” Macedo, Maurício "Honorato" Honorato, Felipe “Liko” Lebrao, Mateus “Neil” Kroeber, Renan “Alemão” Moretto, Pedro “Ole” Orlandini e o reserva Marcello “Wetter” Floriani. Considerando que as favoritas do mundial carregam vários atletas da Overwatch League, o desempenho brasileiro deixou claro que a seleção e o competitivo LATAM não devem ser subestimados.

Canadá 4 x 0 Brasil

Os brasileiros começaram perdendo na Torre Lijiang, mas não se deixaram abalar e foram para King’s Row com tudo. O destaque foram os suportes, com o Lucio de Renan “Alemão” Moretto operando verdadeiros milagres. Superando todas as expectativas, a seleção brasileira chegou a abrir uma vantagem de três pontos e fez o segundo mapa ser o mais emocionante da decisão - mas não conseguiu manter o ritmo até fim do confronto. A equipe teve problemas para segurar a carga dos favoritos e acabou sendo derrotada por 5 a 4.

A seleção brasileira jogou bem, mas teve poucas chances contra o Canadá. (Foto: Reprodução/ Overwatch World Cup)A seleção brasileira jogou bem, mas teve poucas chances contra o Canadá. (Foto: Reprodução/ Overwatch World Cup)

A seleção brasileira jogou bem, mas teve poucas chances contra o Canadá. (Foto: Reprodução/ Overwatch World Cup)

Os canadenses começaram a terceira etapa com uma atuação defensiva exemplar e deixaram poucas brechas para o time dos brasileiros. Aproveitando uma investida ousada e frustrada de Mateus “Neil” Kröber, a Widowmaker de Lane “Surefour” Roberts cresceu rapidamente no jogo e conseguiu vários abates. O confronto no Templo de Anúbis terminou em 2 a 1 para o Canadá, que manteve a postura dominante na última partida e fechou a disputa com o resultado de 4 a 0.

Brasil 3 x 2 Noruega

As duas primeiras partidas entre Brasil e Noruega foram tensas, com os brasileiros perdendo no Oásis e em King’s Row. Felizmente, a derrota por 5 a 4 no segundo mapa fez a seleção reagir e as coisas começaram a mudar depois do intervalo. A equipe nacional venceu por 3 a 2 no terceiro mapa, que foi o Templo de Anúbis, e levou o ritmo agressivo para igualar o placar geral no último confronto.

Assim como na primeira partida, o regulamento da Overwatch World Cup prevê que o desempate aconteça em um mapa do estilo controle. O estágio escolhido para a decisão foi Ilios e, mais uma vez, o grande destaque canarinho foram os suportes. No controle de Zenyatta, Pedro “Ole” Orlandini foi decisivo na batalha pela captura do ponto, e a seleção saiu vitoriosa.

Pedro “Ole” Orlandini jogou o fino e a seleção virou encima da Noruega. (Foto: Reprodução/ Overwatch World Cup)Pedro “Ole” Orlandini jogou o fino e a seleção virou encima da Noruega. (Foto: Reprodução/ Overwatch World Cup)

Pedro “Ole” Orlandini jogou o fino e a seleção virou encima da Noruega. (Foto: Reprodução/ Overwatch World Cup)

Estados Unidos 3 x 1 Brasil

As coisas começaram difíceis para os brasileiros, que sofreram com a defesa adversária e perderam o primeiro ponto no Nepal. Mudando para uma estratégia mais agressiva e abusando do poder de fogo nas mãos de Eduardo “Dudu” Macedo, a seleção ganhou confiança e conseguiu igualar o placar. No desempate, a equipe dos EUA mostrou mais uma vez que não estava pra brincadeira e fechou a primeira partida em 2 a 1.

O segundo confronto foi em King’s Row e a seleção até levou o primeiro ponto do round, mas não conseguiu segurar a carga dos americanos e perdeu de novo por 2 a 1. Voltando do intervalo, na terceira parte da disputa, a equipe americana usou o Hammond de Jay “Sinatraa” Won para atropelar os brasileiros no Templo de Anúbis. Desorganizada, a seleção não conseguiu encontrar uma saída e os oponentes ficaram com a vitória.

A equipe dos EUA provou que tinha mais que o necessário para ocupar o primeiro lugar do grupo. (Foto: Reprodução/ Overwatch World Cup)A equipe dos EUA provou que tinha mais que o necessário para ocupar o primeiro lugar do grupo. (Foto: Reprodução/ Overwatch World Cup)

A equipe dos EUA provou que tinha mais que o necessário para ocupar o primeiro lugar do grupo. (Foto: Reprodução/ Overwatch World Cup)

Por mais que já não fosse possível vencer o set, ter um bom desempenho no último mapa era uma questão de honra. Os brasileiros conseguiram avançar bem em Junkertown, entendendo a estratégia dos oponentes e neutralizando aos poucos as entradas do Wrecking Ball. Sinatraa ainda trocou para Doomfist, mas os americanos não conseguiram responder a tempo e perderam o quarto mapa por 3 a 2.

Brasil 3 x 1 Áustria

Não é segredo pra ninguém que a Áustria foi um dos times mais fracos na OWWC 18. Mesmo assim, a equipe europeia foi com tudo pra cima do Brasil e ameaçou dar trabalho ainda na primeira rodada. A seleção não deixou barato e mostrou porque é a melhor da América do Sul, varrendo os oponentes com o Reinhardt de Mateus “Neil” Kröber e garantindo o primeiro ponto da disputa.

A segunda partida foi em King’s Row e os brasileiros tiveram muita dificuldade no início, deixando os adversários abrirem uma vantagem de dois pontos. No segundo round, com a seleção no ataque, quem se destacou foi Felipe “Liko” Lebrao: o jogador usou o dragão de Hanzo para limitar a movimentação dos oponentes e conseguir uma série de abates importantes. O confronto acabou em 3 a 2 e garantiu mais um ponto verde-amarelo.

Felipe “Liko” Lebrao aproveitou a entrevista da livestream para agrecer o apoio dos torcedores brasileiros. (Foto: Reprodução/ Overwatch World Cup)Felipe “Liko” Lebrao aproveitou a entrevista da livestream para agrecer o apoio dos torcedores brasileiros. (Foto: Reprodução/ Overwatch World Cup)

Felipe “Liko” Lebrao aproveitou a entrevista da livestream para agrecer o apoio dos torcedores brasileiros. (Foto: Reprodução/ Overwatch World Cup)

O palco para a terceira etapa foi Hanamura, e teve como protagonista a Widowmaker de Michael "MrDragonlol" Jörg, que causou muito estrago graças ao seu ótimo posicionamento, sendo fundamental para que a Áustria alcançasse o primeiro ponto. Porém, a boa fase austríaca durou pouco e, na última partida, que aconteceu em Junkertown, o time brasileiro voltou a dominar a disputa. A seleção não perdeu praticamente nenhuma luta e fechou a série em 3 a 1.

Brasil 3 x 1 Suiça

O jogo começou no mapa Nepal e a Suíça ficou com o primeiro ponto do set, só que não demorou para a diferença entre o nível de habilidade dos times aparecer. Na segunda parte da disputa, em King’s Row, eles usaram bem o controle aéreo da Pharah de Sandro “Shinoda” Zahner para atrapalhar a organização brasileira, mas, jogando na defesa, acabaram atropelados pela seleção e perderam por 3 a 2.

Controlando D.Va, Maurício "Honorato" foi um dos destaques brasileiros na partida contra a Suíça. (Foto: Reprodução/ Overwatch World Cup)Controlando D.Va, Maurício "Honorato" foi um dos destaques brasileiros na partida contra a Suíça. (Foto: Reprodução/ Overwatch World Cup)

Controlando D.Va, Maurício "Honorato" foi um dos destaques brasileiros na partida contra a Suíça. (Foto: Reprodução/ Overwatch World Cup)

Hanamura foi o terceiro mapa e palco de uma das partidas mais apertadas da noite. Quem saiu na frente foram os europeus, mas a seleção não deixou barato e venceu por 4 a 3. Por fim, para fechar com chave de ouro, o Brasil ganhou da Suíça no Rialto por 1 a 0. O que mais chamou a atenção na quarta partida foi a sincronia dos brasileiros, que superaram a Pharah rival com maestria e se consolidaram no terceiro lugar do grupo B.

O Brasil nao se classificou para a próxima fase do mundial, mas mostrou que está cada vez mais próximo de grandes potencias do Overwatch. (Foto: Reprodução/ Overwatch World Cup)O Brasil nao se classificou para a próxima fase do mundial, mas mostrou que está cada vez mais próximo de grandes potencias do Overwatch. (Foto: Reprodução/ Overwatch World Cup)

O Brasil nao se classificou para a próxima fase do mundial, mas mostrou que está cada vez mais próximo de grandes potencias do Overwatch. (Foto: Reprodução/ Overwatch World Cup)

Próxima parada: Bangkok, Tailândia

Mesmo com o desempenho surpreendente da seleção, apenas os dois melhores de cada grupo se classificam para as finais da OWWC. Assim, confirmando o favoritismo, Canadá e Estados Unidos se unem a Coreia do Sul e Finlândia para a última etapa do mundial. Também vale lembrar que todas as equipes que estão participando da fase de grupos foram recompensadas com US$ 15 mil (cerca de R$ 60 mil, em conversão direta).

A fase final da Overwatch World Cup vai acontecer durante a Blizzcon 2018, nos dias 2 e 3 de novembro. A decisão também vai contar com mais quatro países, que serão revelados a partir das classificatórias dos grupos C e D. A próxima acontece entre 14 e 16 de setembro, em Bangkok, e vai colocar Tailândia, China, Austrália, Dinamarca, Espanha e Suécia para brigar por duas vagas no mundial.

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.