Não está com tempo de ler? Ouça este conteúdo.

Por Bruno Magalhães, para o TechTudo


O primeiro PlayStation serviu de palco para o surgimento de diferentes franquias que marcaram a infância de muitos jogadores. Várias dessas séries icônicas não foram nutridas como deveriam pelas desenvolvedoras nos anos seguintes e acabaram ficando para trás. O TechTudo listou a seguir dez franquias que começaram no P original e que merecem ver a luz do dia novamente com a tendência de remakes possibilitada pela atual geração.

Syphon Filter

Desenvolvida pela atual SCE Bend Studio, a série Syphon Filter foi um dos fortes nomes no gênero de tiro em terceira pessoa e espionagem no console da Sony. O jogo foi fortemente influenciado por GoldenEye 007, da Nintendo, e estrelava o agente Gabriel Logan, que era designado pelo governo dos Estados Unidos para apreender um terrorista chamado Erich Rhoemer.

A produção de Syphon Filter foi conturbada e o jogo quase foi cancelado diversas vezes, mas a franquia ainda assim conseguiu instalar três títulos diferentes no PlayStation graças à consolidação do número de vendas. Com a tecnologia atual e com ótimos exemplos do gênero, tais como Splinter Cell e Metal Gear Solid, um remake poderia trazer grandes novidades e uma execução muito mais prática.

Medal of Honor

Precursor a popular franquia Call of Duty, Medal of Honor foi um dos grandes alicerces para a popularização do gênero de tiro em primeira pessoa. A franquia teve seu lançamento em 1999 e foi idealizada pelo produtor e diretor de filmes Steven Spielberg, que reuniu uma equipe criativa para dar origem a um game que retratasse uma história no fim da Segunda Guerra Mundial. O jogo também tomou GoldenEye 007, da Nintendo, como uma inspiração e teve uma boa recepção na época.

Com o passar dos anos e com o surgimento de fortes concorrentes, a franquia perdeu o fôlego e não recebe uma atualização desde 2012. Os jogos de tiro em primeira pessoa têm uma participação constante no mercado de hoje em dia e um remake, se bem trabalhado, pode colaborar para um retorno definitivo da série.

Bloody Roar

Os fãs de jogos de luta tridimensionais se lembram hora ou outra de Bloody Roar, jogo desenvolvido pela saudosa Hudson Soft e lançado em 1998 para PlayStation. O seu elenco era composto por lutadores de diferentes estilos marciais, mas sua principal característica era a possibilidade de se transformar em uma criatura metade humana e metade animal para conseguir acesso a novas habilidades e a um acréscimo de força.

O jogo tinha um ritmo rápido e as lutas em arenas rendiam momentos empolgantes, já que era possível destruir os seus limites ao derrotar os oponentes com golpes poderosos o suficiente para isso. A série está desaparecida desde 2003, quando recebeu uma iteração para PS2.

Crash Team Racing

Todo mascote que se preze precisa de um jogo de corrida de kart, e Crash Bandicoot não foi uma exceção à regra. Em 1999, a Naughty Dog lançava Crash Team Racing para seguir a tendência de títulos como Mario Kart e Diddy Kong Racing, consolidando-se entre os favoritos do gênero para muitos jogadores.

Os fãs do marsupial mais icônico do mundo dos jogos foram agraciados por Crash Bandicoot: N. Sane Trilogy há pouco tempo. Com a franquia sob os cuidados da Activision, e especialmente com o tratamento do estúdio Vicarious Visions, há muitas expectativas para a concretização de um remake de Crash Team Racing sob os mesmos moldes da última trilogia e com suporte ao multiplayer online — o que daria uma perspectiva completamente nova à experiência.

Valkyrie Profile

O PlayStation foi a casa de muitos RPGs icônicos e Valkyrie Profile certamente foi um desses. Lançado originalmente em 1999 e desenvolvido pelo estúdio Tri-Ace, o jogo retrata o advento do Ragnarök. Sobre o controle da valquíria Lenneth, o jogador tinha de buscar almas de bravos guerreiros para compor o exército de Odin e se preparar para o grande conflito.

O jogo se dividia em momentos de história, nos quais o jogador conhecia diferentes personagens e as suas tristes histórias que levariam ao óbito, momentos de exploração, nos quais era necessário desbravar dungeons. Os membros do grupo podiam ser equipados com diferentes itens, características pessoais e especialidades que contribuiriam com os seus valores para o exército de Odin e com suas habilidades em combate.Muitos fãs desejam o lançamento de um novo jogo da franquia, mas um remake também seria muito bem-vindo para apresentar a série a novos jogadores.

Bomberman Fantasy Race

Um dos grandes mascotes da década de 90, Bomberman também recebeu um jogo voltado à premissa de corrida, mas aproveitando os bichinhos que apareciam nos jogos principais da série para servir como montaria. Bomberman Fantasy Race foi lançado em 1998 e foi desenvolvido pela GraphicResearch Inc., apresentando um visual completamente tridimensional e uma seleção de itens que podiam ser utilizados para auxiliar durante as corridas — além das já tradicionais bombas.

O jogo tinha um sistema de progressão para desbloquear novas pistas e novas criaturas, sendo que cada uma tinha uma especialidade diferente. Esse foi um spin-off bastante interessante para a franquia — que hoje pertence à Konami — e seria interessante vê-lo atualizado com a tecnologia e princípios do mercado de hoje em dia.

Rival Schools

Rival Schools, ou Justice Gakuen, é uma das antigas franquias de jogos de luta da Capcom que se perderam no tempo e deixaram uma legião de fãs carentes. Lançado em 1998, o universo do game girava em torno de diferentes academias rivais e adotava um modelo de luta em duplas, sendo possível chamar um personagem de assistência para realizar especiais em conjunto. O seu sistema de combos também se assemelhava ao de Marvel Vs. Capcom, tornando os combates rápidos e intensos com várias sequências aéreas.

Hideaki Itsuno, diretor do jogo, já declarou repetidas vezes o seu desejo de voltar a trabalhar com Rival Schools, mas ele está ocupado atualmente com o desenvolvimento de Devil May Cry 5. Em breve, é possível que os fãs sejam agraciados por um remake ou pela terceira iteração da série.

Mega Man Legends

Mega Man, um dos maiores ícones da Capcom, recebeu uma abordagem diferente na época do PlayStation que dividiu opiniões, mas que deu origem a uma nova onda de fãs. Mega Man Legends foi lançado originalmente em 1997 e adotava um estilo de ação e aventura tridimensional, dispondo do recurso de trava de mira para eliminar os inimigos que estiverem espalhados pelo cenário.

Na época, Keiji Inafune, responsável pelo projeto, desejava produzir um Mega Man completamente diferente dos que já tinham sido lançados até então, voltado a divertir jogadores de todas as idades e misturando elementos de RPG para a contagem de história e desenvolvimento de personagem. A fórmula fez um sucesso mediano, mas muitos fãs clamam pelo seu retorno embora Keiji Inafune não faça mais parte da Capcom desde 2010.

Tenchu

Tenchu também foi um nome forte na era do PlayStation ao falar sobre jogos de ação furtiva. Lançado em 1998, o game retratava o Japão feudal do século 16 e estrelava dois ninjas como personagens selecionáveis: Rikimaru e Ayame. Em uma perspectiva em terceira pessoa, os jogadores tinham de usufruir de rápidas tomadas de decisão e de diferentes utensílios ninjas para eliminar os inimigos preferencialmente sem serem percebidos, conseguindo recompensas cada vez melhores.

Atualmente, os direitos de Tenchu estão com a japonesa FromSoftware, que está trabalhando em Sekiro: Shadows Die Twice — que apresenta semelhanças com a clássica franquia. Um remake seria muito bem-vindo, principalmente considerando a competência da desenvolvedora com os títulos lançados nos últimos anos.

Dino Crisis

Derivado do sucesso de Resident Evil, Dino Crisis foi um dos nomes icônicos da Capcom durante a geração do PlayStation, mas que também acabou se perdendo no tempo e deixou de receber atualizações com o avançar da indústria. O jogo foi lançado em 1999 e desenvolvido por Shinji Mikami, a mesma mente por trás da famosa série de terror, mas os grandes inimigos dessa vez eram dinossauros.

Dino Crisis apresentava uma tecnologia mais avançada, já que utilizava cenários inteiramente tridimensionais em oposição aos cenários pré-renderizados de Resident Evil, e era composto por inúmeros momentos de ação e de resolução de quebra-cabeças. Muitos jogadores gostariam de testemunhar o retorno da franquia com a tecnologia da atual geração de consoles, já que ela não recebeu mais atualizações desde 2003 com Dino Crisis 3 — que não foi bem recepcionado pelos fãs.

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.