Não está com tempo de ler? Ouça este conteúdo.

Por Raquel Freire, para o TechTudo

O Motorola One é um celular intermediário anunciado em agosto. Ele chegou ao Brasil em outubro com preço sugerido de R$ 1.499. O valor de lançamento continua vigente em novembro, mas, durante a Black Friday, o varejo oferece diversos descontos, a ponto de o aparelho aparecer entre os mais buscados do comparador Zoom na virada de quinta para esta sexta-feira (23). O grande chamariz do smartphone é sua participação no Android One, programa lançado pelo Google para garantir Android puro e atualizações mais rápidas. Nas linhas a seguir, descubra prós e contras do produto, apelidado de Moto One.

Review do Motorola One: confira a nossa análise completa

Review do Motorola One: confira a nossa análise completa

PONTOS POSITIVOS

1. Android One

A participação do Motorola One no programa Android One traz vantagens como a garantia de um Android mais puro, livre de excessos de personalização que poderiam prejudicar o desempenho do smartphone. As atualizações de Android também devem chegar antes, tanto que o próprio Motorola One começou a receber o Android 9 (Pie) – ele é o primeiro smartphone do Brasil com o sistema mais recente.

A característica é particularmente interessante para quem gosta de testar novidades assim que elas são lançadas. O recurso de bem-estar digital, por exemplo, já chegou para os donos de aparelhos rodando o Android 9, que também desfrutam das melhorias na duração da bateria e nas implementações de inteligência artificial feitas no sistema.

De acordo com a Motorola, compradores do produto têm update garantido para o futuro Android Q, que nem sequer foi anunciado.

2. Bateria de longa duração

A Motorola equipou o celular com uma bateria de 3.000 mAh, prometendo duração para o dia todo. E a promessa foi cumprida: o telefone teve autonomia de uso de 18 horas durante os testes do TechTudo. Em outro momento, o telefone chegou a 10 horas de atividade com 59% de carga.

Ele ainda traz o sistema de recarga rápida TurboPower, que proporciona 6 horas de bateria com apenas 20 minutos de carregamento.

3. Preço competitivo

O modelo intermediário tem preço baixo. Ele custa R$ 1.499 e, na Black Friday, pode ser comprado por cifras na faixa de R$ 1.200. Quem comprar o Motorola One levará para casa um aparelho com armazenamento de 64 GB e memória RAM de 4 GB.

PONTOS NEGATIVOS

1. Desempenho razoável

Um dos aspectos mais decepcionantes da ficha técnica tem a ver com o processador. Os engenheiros da Motorola optaram pelo Snapdragon 625, chip lançado há dois anos pela Qualcomm. Mesmo tendo 8 núcleos, o celular entrega resultado bastante mediano e está no limite de sua capacidade de processamento.

Durante a análise do TechTudo, o smartphone até conseguiu executar tarefas do dia a dia sem problemas, como acessar redes sociais, ouvir música por streaming e ver vídeos. No entanto, atividades que demandam mais performance, como intercalar aplicativos, resultaram em engasgos.

A memória RAM de 4 GB também se mostrou falha, não conseguindo manter publicações no rascunho do Facebook. Todas essas situações devem-se ao fato de que, afinal, o Motorola One é um celular intermediário. Ele não foi construído para jogos pesados nem tarefas super complexas, e isso deve estar em mente na hora de comprar o aparelho.

2. Câmera sem cores fiéis

Como de constume nos modelos da Motorola, a câmera do One não apresentou bom desempenho nem em ambientes iluminados, muito menos em situações de pouca luz. A dupla de sensores de 13 e 2 megapixels, que acompanham lentes com abertura f/2.0 e f/2.4 , respectivamente, registra imagens apenas razoáveis nas melhores condições de luminosidade. E, ainda assim, distorce as cores, deixando tudo com uma aparência lavada.

A câmera principal apresenta outros problemas: algumas imagens ficaram estouradas (sobreexpostas), o modo retrato torna o processamento mais lento e as fotos em ambientes com pouca luz ficaram sofríveis. Portanto, se seu principal foco ao comprar um novo aparelho é tirar fotos, o modelo não é recomendado.

3. Baixa resolução da tela

A tela do Motorola One tem resolução HD+ (720 x 1520 pixels). Ela é muito reduzida para um smartphone de 2018 e, num painel de 5,9 polegadas, gera uma densidade de pixels de apenas 287 pixels por polegada. O resultado é um painel com baixa qualidade até para ler texto, onde é possível distinguir os pontos brilhantes que formam as palavras.

Para assistir a vídeos, a experiência é ainda pior, ainda que fabricante tenha adotado o formato 18:9, pensado justamente para o entretenimento. O display ainda carrega o fardo de que o trecorte superior não foi bem adaptado para o sistema. Com o Android 8.1 (Oreo), o recorte atrapalha as notificações e deixa o relógio e o indicador de porcentagem de bateria muito colados às bordas.

O teste do TechTudo foi anterior à chegada do Android 9 (Pie), que traz suporte ao notch. Portanto, não podemos dizer que este aspecto negativo se mantém, mas a resolução baixa continua sendo um problema.

Black Friday 2018: site te ajuda a encontrar frete grátis para diversos produtos

Black Friday 2018: site te ajuda a encontrar frete grátis para diversos produtos

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.