Por Barbara Mannara, para o TechTudo

13/02/2019 06h20 Atualizado 2019-02-13T08:20:41.268Z


Muito antes da moda dos smartphones com tela grande e touch, os celulares mais desejados pelos usuários eram do tipo slider. Para quem não se lembra, aparelhos assim tinham teclado que deslizava para dar vez aos botões físicos. Eles tinham as modernidades da época: mais compactos que os tijolões e mais interessantes que os celulares de flip. Nas linhas a seguir, reveja quais eram os produtos mais cobiçados com este formato.

O slider podia ser lateral, como no Nokia 6790, ou deslizar na vertical, como no Nokia 7230. E quem não queria um BlackBerry slider? Era o sonho de consumo dos usuários fascinados por celulares. Confira na lista especial.

1. BlackBerry Torch 9800

O BlackBerry Torch 9800 era um dos mais modernos e desejados celulares no início dos anos 2000. Além da avançada tela sensível ao toque, o celular ainda investia em um teclado físico QWERTY posicionado na parte inferior do aparelho. O design em preto dava um ar sóbrio.

Muitos consumidores aderiram ao teclado slider pela praticidade na hora de digitar mensagens no dia a dia. O modelo compacto tinha altura de 111 mm que se expandia para 148 mm quando aberto.

Por dentro, o básico: 512 MB de memória flash e 4 GB de memória interna, o que era muito na época. A bateria aguentava 5,5 horas de conversação. O Torch 9800 contava com uma câmera de 5 megapixels com flash e gravação de vídeo de 640 x 480 pixels. A internet era 3G. Para completar, o modelo vinha com Bluetooth, media player, e-mail e navegador.

Curiosamente, o celular pode ser encontrado ainda hoje em sites de leilão por cerca de R$ 180 – usado, é claro.

2. Nokia 7230

Lançamento de 2009, o compacto Nokia 7230 oferecia o teclado slider vertical. Suas dimensões ficavam em 98 x 48 x 14,8 mm, enquanto o peso era de 110g. A tela de 2,4 polegadas, minúscula para os dias de hoje, era colorida e com resolução 240 x 320 pixels. O aparelho era associado a luxo e sofisticação. Estava disponível nas cores rosa e grafite.

A câmera traseira de 3,15 megapixels fez sucesso. Nas entranhas ficava a memória básica de 45 MB, que servia mais para armazenar os contatos, com slot extra para microSD de até 16 GB. Conectividades como Bluetooth e rádio marcavam presença.

O modo de navegação básico em internet permitia enviar mensagens em redes sociais. Ele ainda vinha com Nokia Mapas 2.0 e reproduzia toques musicais nos formatos MP3, AAC, eAAC eAAC+. A bateria de 860 mAh prometia aguentar cerca de cinco horas no 2G e três horas no 3G.

3. LG GT350

O celular slider da LG era um dos mais desejados pelos usuários, com seu teclado que deslizava lateralmente. Além de conter os números, também oferecia as letras para digitar mensagens facilmente. Outro atrativo eram as cores vibrantes, com edições em azul, vermelho e branco, para os mais discretos.

O aparelho se mostrava à frente de outros celulares tipo slider por causa do display touchscreen mais amplo, de 3 polegadas. O aparelho oferecia acesso direto ao MSN Messenger e redes sociais.

A câmera simples de 2 megapixels permitia capturar vídeos e dar zoom digital de 2 vezes. Para completar, era possível rodar toques em MP3 e havia embutido um calendário, despertador, calculadora, conversor de medidas e rádio FM. A bateria de 950 mAh durava cinco horas de conversa, segund

... o a fabricante.

4. Samsung U600

A Samsung é uma das gigantes no mercado de smartphones, com o seu mais recente Galaxy S9 e o seu irmão de telona, o Galaxy Note 9. Lá pelos idos de 2000, no entanto, a companhia marcava presença com modelos mais compactos. O Samsung U600, por exemplo, trazia tela de 2,2 polegadas e resolução de 240 x 320 pixels.

O teclado numérico deslizava na vertical, com um design mais simples e compacto. A memória de 60 MB, dedicada a armazenar contatos, podia ser complementada com cartão microSD. A câmera de 3,15 megapixels vinha acompanhada de um flash LED. O aparelho com alto-falante e Bluetooth permitia enviar mensagens SMS, MMS e e-mail, com as conectividades WAP e Java. A bateria de 690 mAh permitia conversar por cerca de três horas e meia.

5. Sony Ericsson W580

A marca Sony Ericsson nem existe mais, mas o celular Sony Ericsson W580 está na memória de quem desejava um telefone tipo slider. Os botões físicos e detalhes internos na cor laranja davam um ar moderno e jovem ao aparelho.

Por fora, a cor era combinada com uma carcaça em grafite ou branco. O celular também tinha dimensões compactas: 99 x 47 x 14 mm e 94 g de peso. O diferencial estava nos recursos exclusivos para amantes da músicas: os botões frontais ofereciam um player com controles rápidos para a música, o que fez o aparelho ser apelidado de “celular Walkman”.

A tela colorida estava entre as menores do mercado: apenas 2 polegadas com resolução de 240 x 320 pixels. Por dentro, uma memória básica de 12 MB que podia ser aumentada com micro SD de até 4 GB.

O modelo de 2007 oferecia rádio FM, Bluetooth, toques polifônicos e MP3, além do envio de mensagens via SMS, EMS, MMS e e-mail. A bateria de 930 mAh prometia aguentar até nove horas de conversa.

6. Nokia 6790

Para completar a nossa lista nostálgica, o celular Nokia 6790 oferecia um design diferenciado e luxuoso para a época, com teclas bem moldadas contendo letras e números, o que facilitava o envio de mensagens. O celular de 2009 incluía tela colorida de 2,4 polegadas com resolução básica de 320 x 240 pixels. A memória interna era um das mais robustas, com 128 MB e compatibilidade com cartão microSD.

A câmera de 2 megapixels permitia gravar vídeos de até 320p de resolução. Por dentro, ainda havia Bluetooth, A-GPS, rádio FM e navegação WAP/HTML. A bateria potente de 1.500 mAh tinha duração de quase cinco horas em redes 2G e quatro horas em redes 3G.

Muita coisa mudou na evolução dos celulares para os smartphones. Vale lembrar que a Nokia existe até hoje e planeja novidades como um celular com cinco câmeras.



>>> Veja o artigo completo no TechTudo

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.