Por Louise Rodrigues, da Redação

28/05/2019 07h30 Atualizado 2019-05-28T10:30:02.820Z


Um morador do estado de Oregon, nos Estados Unidos, orquestrou um golpe milionário contra a Apple ao longo de dois anos. Neste período, o chinês Quan Jiang, um ex-estudante de engenharia de uma faculdade comunitária em Albany, enviou milhares de celulares para a empresa, alegando que seriam iPhones com defeito e que deveriam ser substituídos sob garantia. Acontece que os aparelhos eram falsos, mas a Apple demorou a notar.

Jiang chegou a entregar pessoalmente alguns dos celulares e recebeu cerca de 1,5 mil iPhones para restituição com valor estimado para revenda de US$ 600. Para enganar a Apple, o esquema de falsificação se aproveitou de uma vulnerabilidade: o fato do falso iPhone não ligar. Para o rapaz, isso tornou o golpe ainda mais simples, uma vez que não foi preciso se preocupar em criar um sistema operacional que funcionasse.

Já para a Apple, este foi o ponto crucial, segundo o Agente Especial de Investigações de Segurança Interna Thomas Duffy, responsável pelo caso. Em documento entregue à justiça, o especialista explicou que, como o iPhone não ligava, não poderia ser analisado ou consertado de imediato pelos técnicos e, por isso, o seguro garantia obrigava a substituição do aparelho.

O esquema era complexo: os aparelhos falsos chegavam de Hong Kong. Após substituídos, Jiang revendia os iPhones na China. Lá, ele contava com a ajuda de um sócio, o estudante Yangyang Zhou, que entregava o dinheiro para a mãe de Jiang. Ela, por sua vez, depositava na conta do filho.

Os golpes começaram em 2016, mas só no final de junho de 2017 a Apple constatou que algo estava errado quando notou que 150 reclamações vinham do mesmo endereço. Ao todo, a empresa rejeitou 1.576 pedidos de Jiang. Ainda assim, o prejuízo foi de cerca de cerca US$ 895 mil (cerca de R$ 3,6 milhões) para a gigante tecnológica.

A história terminou com Jiang confessando seu crime diante do Tribunal Federal e admitindo tráfico de produtos falsificados. Ele deve enfrentar 10 anos de prisão, além do pagamento de multa, que pode ser de US$ 2 milhões (R$ 8 milhões, em conversão direta) ou de duas vezes o tota

... l de seus rendimentos. O julgamento acontecerá no dia 28 de agosto e, segundo a agência de notícias Bloomberg, a procuradoria americana vai tentar um acordo de redução de pena para três anos e multa de U$ 200 mil. Além disso, Jiang pode perdeu seu carro, uma Mercedes Benz CLA 250 Coupe 2015 preta. Na China, Yangyang Zhou se declarou inocente.

Via Bloomberg



>>> Veja o artigo completo no TechTudo

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.