Assim como outros softwares, o Windows 10 também coleta informações dos usuários. A prática é comum para muitas desenvolvedoras, que utilizam os dados para resolver bugs em seus aplicativos. O problema é que os termos de uso do novo sistema operacional da Microsoft são ambíguos na forma como esse conhecimento será usado, o que está gerando polêmica sobre uma suposta espionagem. 

Comparativo rápido põe Windows 7, Windows 8.1 e Windows 10 lado a lado

Windows 10 coleta informações de usuários (Foto: Divulgação/Microsoft)

Cortana, OneDrive e Bing

Com o lançamento da nova versão, a desenvolvedora atualizou sua política de privacidade, que será implementada a partir do dia 1º de agosto. O texto informa que a Microsoft coleta dados de várias fontes, como pesquisas no Bing ou consultas à Cortana e em documentos carregados no OneDrive.

Estes dados seriam usados, segundo a fabricante, para prover melhorias e customizações dos serviços, enviar mensagens relevantes - incluindo promoções - e, também, mostrar publicidade direcionada.

O sistema de coleta de dados da versão final do Windows 10 é semelhante ao usado na versão de testes, para conseguir feedback sobre os diferentes de dispositivos no qual ele seria instalado. Como o sistema ainda estava em desenvolvimento, essa atitude era necessária para descobrir problemas e resolvê-los. Mas, agora, na versão final, a coleta de dados está sendo encarada como "espionagem".

O que é coletado? 

Algumas informações, como histórico de navegação, favoritos, sites abertos e dados de aplicativos salvos, senhas de conexões móveis e Wi-Fi, são salvas automaticamente e sincronizadas nos servidores da Microsoft. O sistema é semelhante ao usado pelo Google Chrome e pode ser desabilitado nas configurações do Windows 10, como mostra a ilustração abaixo, na área destinada a "Contas".

Sincronização de dados pode ser interrompida nas configurações (Foto: Reprodução/Windows)

O assistente virtual Cortana também é uma fonte de coleta de dados. Neste caso, porém, é impossível desabilitar o compartilhamento de informações, uma vez que ele é inerente ao tipo de serviço prestado pelo software, que requer conhecimento do que o usuário gosta e de seus hábitos para funcionar 100%.

Cada usuário do Windows 10 também possui uma ID de anúncio criada pela Microsoft que é usada por desenvolvedores de apps ou redes de publicidade para gerar anúncios relevantes. O usuário pode desabilitar o recurso nas configurações do Windows 10, na seção de privacidade.

Dados de anúncios do Windows 10 também podem ser desabilitados (Fot
... o: Reprodução/Windows 10)

Outro recurso obrigatório diz respeito ao sistema de criptografia do sistema operacional. O Windows 10 possui um recurso que permite encriptar o Drive, para aumentar a segurança de seus dados. Esta função cria uma chave de recuperação e, para o caso de uma emergência, salva uma cópia dela na conta do OneDrive do usuário.

Dados podem ser divulgados

Apesar dos dados serem, a princípio, sigilosos, a Microsoft aponta que pode revelá-los como parte de uma transação comercial, como fusão ou venda de ativos.

Atualização do Windows 10 funciona em computador com software pirata? Veja no Fórum do TechTudo. 

A fabricante explica também que estes dados podem ser divulgados se for necessário obedecer a alguma ordem legal de autoridades, proteger os consumidores de spam e localizar usuários fraudulentos. Assim como em casos de ameaça à integridade do sistema ou para proteger a propriedade da desenvolvedora.

Preocupado? Veja como ajustar as suas preferências de privacidade no Windows 10.

Via Microsoft e TechWorm



>>> Veja o artigo completo no TechTudo

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.