A Google tem uma rede própria chamada de Jupiter, composta de 100 mil servidores e que pode dar saída a 1 petabit por segundo de dados, o que significa que qualquer um dos servidores da rede pode se comunicar com qualquer outro a velocidades de 10 GB/s.
Beamforming: entenda a tecnologia que 'turbina' a sua rede Wi-Fi
Esses dados sobre as entranhas da rede, que fazem as buscas do Google funcionarem de forma tão rápida, foram reveladas numa postagem no blog dedicado aos serviços de busca da empresa. Mais detalhes sobre a tecnologia foram mostrados numa conferência de telecomunicações, realizada em Londres.
Rede Jupiter do Google conta com um total de 100 mil servidores, como os da foto, localizados no datacenter de Council Bluffs, no estado de Iowa, Estados Unidos (Foto: Divulgação/Google)
Para você ter uma ideia, a demanda do Google por banda para que a rede funcione, e não sofra atrasos quando você a utiliza, dobra a cada ano. Isso significa que o processo de evolução dos sistemas que matém a rede Jupiter funcionando está sempre em constante evolução. Prova disso é que a atual geração do datacenter é 100 vezes mais rápida do que a primeira, que passou a operar em 2005. Esse regime constante de aprimoramento sobre o funcionamento da rede em busca de velocidade só é possível porque a Google tomou um caminho radical na hora de criar os sistemas que permitem que a sua rede se comunique com a Internet e entre si. Ao contrário do que é comum, a Google projeta e desenvolve seus próprios switchers (equipamentos que fu...

>>> Veja o artigo completo no TechTudo

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.