O Hackathon Globo recebeu mais de 1,8 mil inscrições. Os participantes
foram convocados a partir dos currículos e alguns têm histórias
interessantes para contar. Inúmeras formações ou nenhuma, faculdade aos 15 anos e
desenvolvimento desde os 11. Conheça alguns dos programadores. 
Acompanhe ao vivo o Hackathon Globo
Nascido
e criado em Blumenau, Santa Catarina, Douglas Fischer começou a
programar sozinho aos 11 anos. Após concluir o Ensino Médio,
mesmo certo do que queria trabalhar, entrou em três faculdades e não
concluiu nenhuma. Para Fischer, o diploma tem impacto limitado. Até
hoje ele só perdeu duas oportunidades por não ter se formado, mas que
não fizeram diferença na carreira de desenvolvedor. 
Douglas Fischer, de SC, acredita que o diploma na área não faz tanta diferença (Foto: Isabela Giantomaso/TechTudo)
"Hoje
você não consegue ser desenvolvedor só dependendo de faculdade. Precisa
estar sempre atualizado. Se eu ficar um ano parado já não consigo mais
trabalhar", afirma Fisher. O participante catarinense também teve a oportunidade de trabalhar
fora, em Amsterdã, na Holanda, por convite da empresa que trabalhou.
Porém, na época, não quis sair do Brasil por ser muito apegado a
família. Hoje, ele trabalha no Rio de Janeiro para ficar mais próximo da
empresa e desenvolve apps para grandes empresas privadas. "Se eu ainda
estivesse em Blumenau não conseguiria desenvolver aplicativos para as
companhias que desenvolvo hoje", conta.Fischer n...

>>> Veja o artigo completo no TechTudo

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.