O smartwatch da chinesa Huawei, simplesmente chamado de Watch, veio com toda a pompa. Ele é bonito – talvez o mais bonito da geração atual. Mas também é caro. E não vai chegar ao Brasil tão cedo. E tem bateria menor que rivais, além de menos memória. Até aqui, são alguns contras…
Asus VivoStick combina tamanho mínimo, conectividade e estilo na IFA 2015
Tivemos a chance de testar o Huawei Watch no estande da companhia, durante a IFA 2015. De cara, a elegância: ele é de metal, é mais pesado (o que é bom) e tem excelente acabamento, com uma boa gama de pulseiras para trocar. Mas é grande e só tem um tamanho.
O Huawei Watch segue a tendência do Moto 360 2015, de ter o botão home na posição duas horas (um pouco acima do convencional). A ergonomia – e o pulso – agradecem.
O display é top de linha – talvez o melhor da geração atual: um AMOLED de 1.4 polegada, 400x400, com 286ppi. O processador é o Qualcomm Snapdragon 400, rodando a 1.2 GHz, com 4GB de armazenamento e 512 de RAM. A bateria tem 300mAh e o aparelho roda Android Wear 1.3.
Huawei Watch (Foto: Fabrício Vitorino/TechTudo)
Vale lembrar que o LG Urbane, por exemplo, vem com 1GB de RAM e deve custar mais barato que o Huawei Watch. E que a bateria, sobretudo levando em consideração a tela, pode ser uma dor de cabeça (aqui o Urbane também é superior, com seus 410mAh).
Claro que, com essas configurações, o Huawei Watch tem a obrigação de rodar o si...

>>> Veja o artigo completo no TechTudo

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.