Técnicos do Instituto Tecnológico da Geórgia criaram um sistema de refrigeração ativa que injeta líquidos no interior de microchips, reduzindo o calor do dispositivo em até 60%. O método permite que a troca de calor entre os componentes eletrônicos e os fluídos seja mais intensa, abrindo espaço para que processadores do futuro tenham maior densidade e mais poder.
Zen: O que esperar da nova arquitetura de processadores da AMD?
Atualmente, computadores usam ventiladores para dissipar o calor gerado pelo seu funcionamento. Em casos de máquinas mais extremas, bombas e tubulações fazem algum tipo de fluido circular em contato com difusores de calor para aliviar as altas temperaturas na hora de jogar, ou executar programas pesados.
Tubulações fazem circular pequenas quantidades de água diretamente onde o calor é gerado (Foto: Divulgação/Instituto Tecnológico da Geórgia)
No projeto dos cientistas norte-americanos, a abordagem é mais dramática. As tubulações, que hoje circulam sem contato direto com os componentes que são a fonte de calor, foram levadas para dentro dos processadores. Circuitos de microns de espessura fazem com que pequenas quantidades de água envolvam diretamente o chip durante o seu funcionamento.
Qual é o melhor Windows de todos os tempos? Comente no Fórum do TechTudo.
Os resultados foram bastante impressionantes. Usando a água, numa vazão de 147 mililitros por minuto diretamente injetados em um processador simples da Altera, os técnicos registraram que a temperatura de operação do chip caiu em...

>>> Veja o artigo completo no TechTudo

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.