Os últimos grandes lançamentos em termos de monitores costumam contar com suporte a duas novas tecnologias, criadas por AMD e NVIDIA, chamadas de FreeSync e G-Sync, respectivamente.
AMD Fx 6300 ou Fx 8350; qual é o processador com melhor custo-benefício?
Ambas são importantes para quem quer extrair o máximo de performance na hora de rodar jogos que exigem bastante do hardware e isso explica porque, além de um monitor compatível, o usuário precisa de placas de vídeo que já ofereçam suporte ao FreeSync, no caso das Radeon, e ao G-Sync, paras Geforce. Para que servem FreeSync e G-Sync? A criação dessas duas novas tecnologias é uma forma de tentar resolver um problema clássico ao rodar games, o chamado “screen tearing”, ou simplesmente “tearing”. Trata-se de um artefato na imagem apresentada no monitor, que compõe o quadro com pedaços de dois os mais frames na ação.
G-Sync e FreeSync são encontrados nos monitores top de linha, voltados para jogos (Foto: Divulgação/Asus)
O “tearing” ocorre porque há algum descompasso na hora de criar as imagens que o jogador vê na tela, seja porque o monitor não está atualizando corretamente, seja porque a placa de vídeo está com dificuldade de manter o ritmo de atualização dos frames que constroem a ação. A saída para acabar com o “tearing”, desenvolvida por AMD e Nvidia, busca eliminar essa perda de ritmo ao permitir que o monitor tenha taxas de atualizações variáveis. Em vez de estar fixo em 60 Hz (ou, para facilitar a comparação, 60 quadros por segundo), o dispositivo pode ter seu ritmo de atualização alterado para se adequar às capacidades da placa de vídeo. O “tearing” é um bom exemplo porque é bastante perceptível. Mas a ação da taxa variável de atualização de tela deve contribuir para eliminar outros problemas, como pequenos travamentos (“stuttering”) e atrasos (“input lag”). Por exemplo: suponha que sua placa de vídeo consegue rodar Star Wars Battlefront a 45 quadros por segundo. Se o seu monitor não usa FreeSync ou G-Sync e tem taxa de 60 quadros a cada segundo, há chances de que o artefatos como o “tearing” ocorram em determinadas situações. Caso o seu monitor tenha qualquer uma dessas tecnologias, e você use uma placa compatível, o dispositivo vai alterar seu comportamento para passar a atualizar a tela no mesmo ritmo em que sua placa de vídeo é capaz de gerar quadros: se ela roda Battlefront a 45 quadros por segundo, o monitor vai começar a operar também a 45 quadros por segundo.
Na ima...


>>> Veja o artigo completo no TechTudo

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.