GTA é uma das franquias mais bem sucedidas da história tanto em vendas quanto em qualidade técnica. Os títulos de ação da série possuem tudo que os jogadores procuram em um bom game de mundo aberto: violência, humor e muitas missões. Entretanto, toda a expertise da Rockstar, desenvolvedora dos jogos, não surgiu do nada. Veja a evolução gráfica de um dos maiores sucessos da atualidade.

Mortal Kombat: confira a evolução de gráficos dos títulos da série

GTA 5 é uma das franquias mais bem populares da atualidade (Foto: Divulgação)

- GTA e GTA 2 (1997 e 1999)

O começo da série foi bem diferente dos mundos imersivos representados nos jogos mais recentes. Lançado em 1997 para PlayStation, Grand Theft Auto não exigia um computador muito potente. Com gráficos simples para a época, o primeiro GTA passava despercebido por muitos usuários, pois não explorava o potencial gráfico dos consoles e PCs.

Primeiro jogo de GTA tinha visão aérea e objetos pré-renderizados em 2D (Foto: Divulgação)

O segundo capítulo da série chegou em 1999. GTA 2 trazia gráficos melhores com vários elementos em 3D. Porém, a câmera aérea foi mantida. Lançado para PC e PlayStation, o game possui um visual mais bonito nos computadores. Com muita violência e "humor negro", GTA 2 fez bastante sucesso, o que rendeu duas expansões que adicionavam novos conteúdos.

Entretanto, GTA ainda estava bem distante da realidade visual daquela época. Em 1999, jogos como Driver cativaram os usuários com perseguições alucinantes e tomadas cinematográficas. Felizmente, a DMA Design/Rockstar já trabalhava no próximo título de série, e ninguém esperava a revolução visual que estava por vir.

- GTA 3 (2001)

GTA 3 pode ser considerado responsável pela identidade visual da série. Isso porque, tanto o estilo de capa, como posição da câmera e jogabilidade, foram definidos nesse game. Inclusive, até hoje, esses elementos são utilizados na franquia. Lançado em 2001, o título trazia grandes mudanças em relação aos jogos anteriores: não se tratava apenas de gráficos melhores, mas de uma abordagem completamente nova.

GTA 3 foi uma revolução para a série de jogos com foco em crimes e violência (Foto: Divulgação)

A jogabilidade de GTA 3 fez sucesso na época: um mundo aberto em 3D, livre para exploração. Os dois games anteriores foram importantes para a narrativa. Porém, o sistema de câmera e a jogabilidade podem ter vindo de outro título da produtora: Body Harvest.

Lançado para Nintendo 64 em 1998, esse game de ação futurista possui muitas semelhanças com GTA 3. Perceba no vídeo como o esquema de câmera, controles e uso de veículos são bastante parecidos com GTA 3. Body Harvest é considerado por mui

... tos o sucesso não festejado da Rockstar.

- GTA: Vice City e San Andreas (2002 e 2004)

Com o sucesso estrondoso de GTA 3, a Rockstar planejou sequências baseadas no mesmo motor gráfico. Com leves alterações no visual, foram lançados GTA: Vice City e San Andreas.

GTA: Vice City trazia uma ambientação cômica dos anos 80. Apesar disso, em relação a GTA 3, não trouxe uma grande evolução visual. Mas ninguém se importava com isso, já que a produtora focou em contar mais uma história empolgante com muito humor e violência.

GTA Vice City trazia uma ambientação cômica dos anos 80 (Foto: Divulgação)

Um dos títulos mais polêmicos de todos os tempos, GTA San Andreas ainda hoje possui uma comunidade ativa de jogadores. Lançado em 2004 para PlayStation 2, o game também não trouxe uma grande revolução gráfica. Porém, a Rockstar expandiu o mapa das cidades a um nível inimaginável para a época. Outro elemento importante foi a customização do personagem, que podia mudar até mesmo de aparência física.

Entre a geração do PS2 e o primeiro Xbox, a desenvolvedora lançou jogos com tramas paralelas (spin-offs) da série: GTA: Liberty City Stories e Vice City Stories. Inicialmente, ambos foram lançados para o PSP, mas, depois, foram portados também para outras plataformas da Sony, como PlayStation 2 e 3.

- GTA 4 (2008)

Em GTA 3, Vice City e San Andreas, foi usado o motor gráfico RenderWare. Mas ficou evidente que, na nova geração de consoles, era preciso uma nova engine. Desenvolvida pela própria Rockstar, a RAGE foi o motor gráfico utilizado não apenas em GTA 4, mas também em outros jogos da produtora, como Max Payne 3 e Red Dead Redemption.

Lançado na primavera da geração que trazia Playstation 3 e Xbox 360 como “carros-chefes”, GTA 4 possui uma qualidade gráfica invejável. Ao chegar no PC, o game se beneficiou de ajustes extras que retiraram algumas imperfeições e limitações dos consoles.

- GTA 5 (2013)

Cinco anos podem parecer pouco, mas a evolução dos gráficos nessa série era nítida entre GTA 4 e GTA 5. O mais recente episódio da franquia estabeleceu novos padrões visuais em mundos abertos.

Uma das principais diferenças entre os dois jogos é a nitidez. GTA 5 é muito mais "limpo", enquanto GTA 4 possuía um recurso de borrar (blur), muito utilizado em jogos para PS2. O blur é um recurso que pretende maquiar possíveis falhas, mas, com ele, o game ganhava um aspecto mais feio. Com isso, a evolução da série parece surreal quando comparadas as versões de consoles de GTA 4 e 5.

GTA 5 é um dos jogos mais bonitos da atualidade (Foto: Divulgação/Rockstar)

Os efeitos de iluminação são impressionantes em GTA 5. Além disso, os reflexos são muito mais bonitos. Novamente comparado com o sucessor, os carros de GTA 4 não possuem carros com pintura polida.

A água foi outro elemento que evoluiu bastante. Enquanto em outros jogos da série, ela parecia mais uma gelatina. Em GTA 5, percebe-se reflexos mais nítidos, efeitos de espumas e ondas mais realistas.

Com toda uma evolução nas estruturas e modelos dos personagens, a destruição foi algo que se destacou na evolução gráfica. Explodir coisas, destruir carros e até estilhaçar vidros ganharam efeitos muito melhores.

Como colocar mods no GTA V do PS3? Comente no Fórum do TechTudo.



>>> Veja o artigo completo no TechTudo

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.