Não está com tempo de ler? Ouça este conteúdo.
email facebook googleplus pinterest twitter whatsapp

Pesquisadores da Universidade de Tóquio desenvolveram uma tela capaz de se autorregenerar. Criado com um novo tipo de polímero, o display poderia ser usado em smartphones para evitar a substituição completa após a peça sofrer com riscos e pancadas. O diferencial está em dispensar altas temperaturas para conseguir voltar ao normal.

O estudo chamou a atenção por ter sido publicado na última semana pela revista Science, uma das mais conceituadas do mundo. Embora ainda não tenha sido mostrada na prática, a tecnologia tem sido apontada como bastante promissora.

Tecnologia poderia evitar troca da tela do dispositivo (Foto: Reprodução/Pond5)Tecnologia poderia evitar troca da tela do dispositivo (Foto: Reprodução/Pond5)

Tecnologia poderia evitar troca da tela do dispositivo (Foto: Reprodução/Pond5)

A ideia de usar uma tela capaz de se auto regenerar não chega a ser novidade. Um dos primeiros smartphones a adotar uma tecnologia com proposta semelhante foi o LG G Flex 2, lançado durante a CES 2015. O aparelho tem um display curvo, porém é a parte traseira que traz a capacidade de reverter pequenos arranhões, graças a um material chamado de Advanced Self Healing. Outras empresas, como a Motorola, apostam em uma tela inquebrável, como a ShatterShield usada no Moto Z2 Force. Além disso, a fabricante também já obteve uma patente que descreve um polímero capaz de se recuperar com o calor.

No entanto, o que faz o estudo dos japoneses chamar a atenção é a forma como a tecnologia é descrita. O novo polímero não precisa de muito calor para voltar às características originais. Basta usar a fricção dos dedos sobre o componente durante 30 segundos em uma temperatura ambiente de 21º. Após criar o atrito, as rachaduras conseguem se reorganizar e se regenerar.

Moto Z2 Force: conheça especificações do lançamento da Motorola

Moto Z2 Force: conheça especificações do lançamento da Motorola

O novo polímero foi descoberto por acidente. Um aluno estava preparando o material com um tipo de cola, quando percebeu que após um corte as rachaduras se interligam novamente. Alguns testes posteriores constataram que o componente recupera, inclusive, a rigidez.

Os pesquisadores acreditam que a tecnologia pode ajudar o meio ambiente ao evitar que mais telas sejam descartadas. No entanto, ainda não ficou claro qual o tamanho das rachaduras que o material consegue recuperar. Por enquanto, não há uma expectativa para que o novo componente chegue efetivamente aos smartphones. Se a novidade provar o que promete, pode ser que no futuro não seja mais necessário substituir o vidro dos aparelhos em caso de problema.

Como formatar um celular com a tela ruim? Comente no Fórum do TechTudo.

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.