Não está com tempo de ler? Ouça este conteúdo.
email facebook googleplus pinterest twitter whatsapp

Uma nova técnica de manipulação de elétrons pode deixar computadores quânticos mais rápidos. Pesquisadores da Universidade de Ratisbona, na Alemanha, e da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, demonstraram em laboratório uma tecnologia que permite mudar o estado de elétrons em frequências que são um milhão de vezes mais velozes do que os sistemas eletrônicos atuais.

Divulgado no início deste mês, o experimento envolveu a aplicação de um raio laser infravermelho sobre uma camada de material semicondutor, similar ao que é usado atualmente na indústria.

Computadores quânticos atuais - como o IBM da foto - precisam de temperaturas muito baixas para funcionar; pesquisa mostra solução para o problema (Foto: Divulgação/IBM)Computadores quânticos atuais - como o IBM da foto - precisam de temperaturas muito baixas para funcionar; pesquisa mostra solução para o problema (Foto: Divulgação/IBM)

Computadores quânticos atuais - como o IBM da foto - precisam de temperaturas muito baixas para funcionar; pesquisa mostra solução para o problema (Foto: Divulgação/IBM)

De acordo com os pesquisadores, é possível que a novidade seja aplicada no futuro para a criação de dispositivos de processamento quântico extremamente portáteis. Isso porque o material pode ser confeccionado com relativa facilidade, tem baixa espessura e – mais importante – pode, inclusive, funcionar em temperatura ambiente.

Mais do que uma possibilidade para computadores eletrônicos do futuro, o estudo também é uma estratégia viável para se abordar algumas das limitações da computação quântica. Máquinas quânticas atuais, como sistemas desenvolvidos pela D-Wave, IBM e Microsoft, costumam depender de estruturas mantidas a temperaturas inferiores ao do espaço interestelar (ou -273° Celsius) para funcionar corretamente. A exigência representa custos altos de desenvolvimento, fabricação e manutenção desse tipo de equipamento.

Qualquer oscilação de temperatura pode comprometer o funcionamento do computador quântico, corromper dados e inutilizar o processamento realizado.

A pesquisa desenvolvida nas instituições da Alemanha e dos EUA mostra que é possível ler o estado dos circuitos quânticos e realizar o processamento de informações antes que a temperatura suba e comprometa as informações. Mais importante ainda, por usar disparos curtos de laser, os cientistas mostraram que um sistema quântico independente de baixas temperaturas é viável.

Via Physorg

Qual é uma boa configuração de PC gamer de entrada? Veja no Fórum do TechTudo.

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.