The Witcher 3 Wild Hunt chega ao PS4, Xbox One e PC nesta terça-feira (19). Desenvolvido pela polonesa CD Projekt RED, o game atraiu a atenção de todos com uma proposta extremamente ambiciosa, que coloca um ponto final na saga do bruxo Geralt de Rívia. Confira as nossas primeiras impressões do game: The Witcher 3: Wild Hunt terá 16 DLCs gratuitos
O carniceiro de Blaviken em sua melhor forma Montado em seu cavalo, carinhosamente apelidado de Carpeado, o Carniceiro de Blaviken, como é conhecido Geralt de Rívia, procurava atentamente por vestígios em uma floresta. O protagonista de cabelos brancos, cujo serviço é exterminar monstros, utilizava seus sentidos de bruxo para destacar os principais componentes do cenário, afim de detectar pegadas de uma possível aberração rotulada de “Berrante”. Os rastros encontrados por Geralt o levaram até o topo de uma colina, resguardada pela criatura voadora. Era o tal “Berrante”. O bruxo saltou do cavalo e, por instinto, brandiu sua espada de prata (ideal para combater monstros) com a mão direita, sem que precisássemos tirá-la de forma manual usando um dos direcionais do controle.
The Witcher 3: primeiras impressões (Foto: Reprodução/Victor Teixeira)
Travamos a mira na criatura com o botão R3, do DualShock 4 do PlayStation 4, e engatilhamos uma besta de mão para interceptarmos uma investida aérea, que certamente teria sido fatal. Atordoado pelo ataque à longa distância, o “Berrante” caiu de forma brusca, enquanto o bruxo executava o sinal mágico Igni para envolver o inimigo...

>>> Veja o artigo completo no TechTudo

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.