Drones à prova d’água tornaram-se realidade há pouco tempo, mas já fazem a cabeça de muita gente. Para além do típico desejo dos early adopters, o veículo traz uma série de aplicações que suas versões estritamente aéreas não conseguem desempenhar.
Avião de papel usa drone e óculos VR para fazer streaming ao vivo
Resgate e transporte de objetos no mar, pesquisas subaquáticas e salvamentos são algumas das possibilidades dos quadricópteros mergulhadores. Ter um modelo do tipo também já deixou de ser algo de outro mundo. Quem está disposto a gastar pelo menos R$ 600 (valor convertido do dólar) pode ficar satisfeito, pois já existem vários modelos à venda. Veja o que é preciso saber sobre esses dispositivos que andam no ar e na água antes de comprar.
Drones à prova d'água já podem ser comprados (Foto: Divulgação/QuadH2O)
Para que servem? A maior parte dos drones à prova d’água atuais é feita para quem pratica esportes radicais aquáticos, como jet ski e surfe. Os gadgets funcionam tal como os drones convencionais, porém, são fabricados com materiais resistentes a líquidos, como a fibra de epóxi. Por essa razão, esses devices podem voar sob chuva e neve e bem rentes a rios, mares e piscinas.
Download grátis do app do TechTudo: receba dicas e notícias de tech no Android ou iPhone Modelos como o Splash Drone são mais ousados e incorporam sistemas de transporte de objetos de um ponto a outro. Até o momento, os dispositivos comercializados suportam o peso equivalente a uma garrafinha de água. A cap...

>>> Veja o artigo completo no TechTudo

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.