Não está com tempo de ler? Ouça este conteúdo.

A ARM anunciou duas novidades durante a Computex 2016: um novo processador e um novo chip gráfico. Trata-se da CPU Cortex-A73 e da GPU Mali-G71, que chegarão ao mercado em 2017 para equipar boa parte da próxima geração de celulares e tablets, oferecendo velocidade e economia de energia.

Nova placa de vídeo RX 480 da AMD tem preço mais em conta que Nvidia

O chipset Cortex-A73 é uma melhoria do Cortex-A72, usado em aparelhos intermediários e até em alguns top de linha. O principal destaque é o processo de fabricação em 10 nm, que deixa o chip 25% menor se comparado com o Cortex-A53. Com isso, a empresa pode otimizar a sua linha de produção, fabricando mais chips de uma vez só.

ARM anuncia novo processador Cortex-A73 (Foto: Divulgação/ARM) ARM anuncia novo processador Cortex-A73 (Foto: Divulgação/ARM)

O tamanho reduzido vai permitir que os componentes façam processadores com seis núcleos, ao invés de quatro. Assim, os novos chipsets teriam 2 chips Cortex-A73 trabalhando junto com quatro chips Cortex-A53 e ocupando o mesmo espaço que um atual chipset quad-core.

A ARM ressaltou que o ganho de desempenho em tarefas que exigem mais de um núcleo seria de 30%. Além disso, um único núcleo Cortex-A73 entrega 90% do desempenho de um Cortex-A53 em tarefas single-core.  

Os novos chipsets também melhoram o consumo energético. Consomem 20% menos energia que um Cortex-A72, mesmo trabalhando na mesma frequência (clock). Vale dizer que o A72 é a base para os processadores Snapdragon 820, da Qualcomm e Exynos 8890, da Samsung. Além disso, o A73 consegue trabalhar em sua velocidade máxima por mais tempo, visto que aquece menos que o seu antecessor.

Falando em números, o Cortex-A73 pode atingir velocidades de 2,8 GHz e consumir menos de 750 mW. Assim, podemos esperar que os celulares do segmento intermediário do ano que vem sejam mais potentes e também mais econômicos.

Mali-G71 

Além do novo processador, a ARM também anunciou um novo chip gráfico. O Mali-G71 foi desenvolvido tendo-se em mente as tecnologias de realidade virtual. Em números brutos, o G71 pode oferecer 50% mais desempenho e 20% menos gasto de energia. Isso se comparado ao chip Mali-T880, que é usado em celulares da Samsung, Huawei e outras.

Segundo a companhia, o novo processador pode reproduzir conteúdo de realidade virtual em alta resolução e com alta taxa de amostragem por segundo. Como se não bastasse, o componente traaz diversas melhorias nas APIs gráficas.

A ARM informou que empresas como Samsung, MediaTek e HiSilicon já licenciaram o uso das novas tecnologias. Assim, não é de se espantar que o Galaxy S8, por exemplo, já implemente um processador Exynos com a microarquitetura Artemis, utilizada no Cortex-A73.

Existe muita diferença entre o Snapdragon 600 e 800? Comente no Fórum do TechTudo

Via ARM e ARM

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.