Que a robótica tem evoluído a cada dia, com robôs lutadores e indestrutíveis, com habilidades atléticas e capacidades avançadas de aprendizado a maioria já sabe. Mas quando e como todos esses estudos e aplicações poderão ser colocados em prática na área da saúde, de forma que beneficie os humanos diretamente?
Robô em formato de minhoca é flexível e promete superar qualquer obstáculo A resposta parece cada vez mais próxima com os micro e nanorobôs. Novas tecnologias permitem que robôs do tamanho de formigas ou com diâmetros menores que o de um fio de cabelo possam auxiliar em cirurgias, ou até mesmo liberar medicamentos direto na corrente sanguínea.
Robôs 'minúsculos' poderão auxiliar em tratamentos e cirurgias em breve (Foto: Divulgação/SRI International) No caso dos micro robôs, inspirados em formigas principalmente por conta do exemplo de trabalho em equipe para construir estruturas complexas, com os estudos atuais eles já podem fazer aplicações em protótipos, chips e tecidos. Em breve, em um futuro próximo, poderão atuar também em cirurgias para alcançar locais onde os médicos podem ter dificuldades. Segundo cientistas responsáveis por um dos projetos em fase de testes, os próximos passos para as aplicações na medicina é tornar os micro robôs mais inteligentes. Eles afirmam que as máquinas, mesmo programadas para tarefas simples, ainda precisam ser mais reativas e identificar mais sensações. Já com os nanorobôs, a tecnologia é ainda mais complexa e é visível somente com o auxílio de microscópios. Feitos a partir de DNA, quando aplicados no corpo humanos os robôs poderão detectar temperatura, pressão e concentração de açúcar no sangue, por exemplo.
Robôs têm sido desenvolvidos para trabalhos mais detalhados na área da saúde (Foto: Divulgação/IHCM) A ideia inicial é que as informações identificadas sejam transmitidas aos médicos para que liberem medicamentos rapidamente. No entanto, no futuro, caso a ciência consiga deixar os robôs ainda mais inteligentes, é cogitado que as medicações sejam automáticas.
De acordo com um pesquisador da Caltech, Instituto de Tecnologia da Califórnia, nos Estados Unidos, as aplicações em humanos poderiam ser feitas de acordo com as necessidades, protegendo todas as partes do corpo. "Você poderia ter dezenas de dispositivos de microescala viajando ao redor do corpo tomando medidas ou interferindo na doença", afirma o engenheiro químico Mikhail Shapiro. Além de identificar e prevenir, os nanorobô...


>>> Veja o artigo completo no TechTudo

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.