Não está com tempo de ler? Ouça este conteúdo.

Se você está em busca de um apartamento para alugar em São Paulo (SP) para dividir com outras pessoas – e economizar dinheiro com moradia -, há alguns cuidados e formas de fazer com que essa experiência seja a melhor possível.

O aluguel na capital paulista está na média dos R$ 35 o metro quadrado, sendo o mais caro do Brasil segundo o DMI-GI (Dados do Mercado Imobiliário), um relatório setorial do mercado imobiliário. Assim, um apartamento de 70 m², por exemplo, pode custar na faixa de R$ 2,4 mil por mês – fora o condomínio e demais gastos.

Então, dividir um imóvel na cidade não é, nem de perto, uma má ideia. Só é preciso se atentar a alguns fatores, desde a burocracia do contrato até a busca do apartamento ideal. Confira as dicas!

1. Escolha pessoas de confiança ou que tenham hábitos parecidos com os seus

Se até quem é da mesma família tem problemas de convívio, imagine pessoas antes desconhecidas, com educação e cultura diferentes. Então, saiba bastante sobre os candidatos para morar junto. Pode ser um familiar, um amigo ou até um desconhecido.

Neste último caso, é indicado fazer uma entrevista com a pessoa para saber se o convívio será fácil: se gosta ou não de festas, de ouvir música alta, entre outros costumes e gostos. Assim, você terá uma noção melhor se conseguirá conviver bem com o outro.

2. Alugue de proprietários ou imobiliárias que não exijam multa no caso de sublocação

Há imobiliárias e proprietários que incluem no contrato de locação uma cláusula de multa no caso de sublocação – quando o inquilino responsável (constado no contrato) divide o apartamento com outras pessoas que não sejam de sua família e cobram por isso. Portanto, se a sua intenção é essa, fuja desse tipo de negócio! Ou tente fazer um acordo para tirar a cláusula de multa.

Isso ocorre porque a sublocação não é prevista na Lei do Inquilinato (Lei nº 8.245), por isso, não há respaldo legal para que o contrato de locação inclua os sublocatários. É preciso haver apenas um responsável. Até mesmo para casais funciona desse modo, a única diferença é que ambos são constados e assinam – mas apenas um deles pode ser o responsável legal, o que abordaremos a seguir.

3. Tenha em mente que você ou outro morador será o responsável legal

Uma vez que o contrato de locação aceite apenas um responsável como locatário, tenha em mente que, tanto no caso de você ou outro morador responder legalmente, correrá riscos.

Como locatário você deve arcar com todos os custos mensalmente, mesmo que os outros moradores não te paguem. Enquanto que, como sublocatário, não terá comprovante de residência.

4. Para ter uma segurança extra, estabeleça um contrato civil com os outros moradores

Embora não seja usual ou mesmo legal a inclusão dos moradores no contrato de locação, é comum o documento feito entre os moradores. Vale criar esse contrato com um advogado especializado no mercado imobiliário para que você tenha mais tranquilidade ao dividir o apartamento com outras pessoas.

É comum que esse contrato estabeleça o valor do pagamento, data do mesmo, e meio como será feito, além de outras cláusulas que garantam que cada um se responsabilize de alguma forma pela manutenção do imóvel. Em caso de algum problema ocorrer, é possível recorrer ao Juizado Especial Cível (o de “Pequenas Causas”).

5. Prefira apartamentos próximos a transportes públicos

Acredite: morar perto de uma estação de trem ou metrô, ou mesmo de pontos de ônibus, facilita bastante o dia a dia. Alguns bairros próximos ao Centro, como a Consolação, ou os mais badalados como a Vila Madalena (Zona Oeste) e a Vila Mariana (Zona Sul), geralmente têm essa facilidade. No caso de todos os moradores usarem carro ou moto, verifique se há vagas suficientes ou estacionamentos próximos.

6. Opte por apês com quartos suficientes

Se você não abre mão da sua privacidade, prefira os apartamentos com vários quartos, para que cada morador tenha o seu. Assim, você terá o seu próprio canto e não precisará se adaptar à rotina do outro, e vice-versa. Caso não faça questão de ter o seu quarto, e nem os outros moradores, também é válido dividir: basta que estejam de acordo com as manias e horários um do outro.

7. Considere alugar um imóvel com mais de um banheiro

É complicado quando você precisa usar o banheiro e há outra pessoa usando ele. Parece algo irrelevante, mas quando isso ocorre várias vezes, especialmente quando você tem pressa, é algo que atrapalha bastante. Isso fica ainda mais difícil quando há mais de uma pessoa morando em casa, aumentando também a demanda do cômodo.

Para evitar esse problema, filtre sua busca informando a quantidade de banheiros que você precisa. Se for dois ou mais, melhor, mas pelo menos um lavabo já ajuda muito.

Está preparado para morar junto com outras pessoas e ter ótimas experiências com isso? Como está sua busca pelo apartamento ideal? Conte pra gente nos comentários!

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.