Não está com tempo de ler? Ouça este conteúdo.

Quem nunca sonhou ou ainda sonha em ter a casa própria e se livrar do aluguel? De acordo com uma pesquisa divulgada pelo Serasa Experien, são muitos os que têm essa ideia fixa na cabeça. O estudo aponta que aproximadamente 40% dos brasileiros sonham em comprar um imóvel, desejo que, junto com os veículos – há um empate técnico na pesquisa – ocupa a liderança na lista de prioridades. No entanto, com a crise financeira, muitos têm adiado a conclusão desse objetivo. Será mesmo que isso é necessário?

Uma opção bastante viável para quem quer concluir esse projeto é o financiamento imobiliário. É muito possível, com esforço, dedicação e, principalmente, planejamento, realizar alguns cálculos, procurar uma instituição financeira, e verificar quais são as opções disponíveis para o financiamento. Tudo dependerá da sua faixa de renda e do valor do imóvel que planeja adquirir. Pode parecer trabalhoso, mas vamos mostrar que o sonho está mais próximo do que você imagina.

Confira, logo a seguir, algumas dicas para financiar um imóvel!

Consulte as condições básicas e exigências

Atualmente, a Caixa exige um valor mínimo de 50% para que seja possível a entrada em um imóvel, algo que passou a ser comum em outras instituições financeiras. Além da entrada, a pessoa interessada no financiamento imobiliário também deve lembrar que todos os principais bancos que realizam essa operação costumam cobrar uma taxa média de 10,70%.

Por fim, outra exigência bastante comum das instituições financeiras é que o valor das parcelas do financiamento não comprometam 30% da renda familiar. Isso acaba por restringir as opções que uma família tem para adquirir um imóvel próprio, mas é uma forma de proteger a própria instituição financeira e o cliente da inadimplência, principalmente em tempos de crise financeira.

Opte por simulações prontas

Recentemente, o site Canal do Crédito, especializado em realizar comparação entre custos de financiamento, realizou um estudo minucioso sobre os valores máximos que as famílias conseguem financiar de acordo com a sua faixa de renda. Essa simulação leva em conta todos os fatores citados anteriormente, além de calcular o tempo para conclusão do financiamento, com um prazo máximo de 30 anos. As diferenças entre as instituições públicas e privadas também são levadas em consideração.

Com isso, chegamos a alguns resultados práticos que podem te ajudar a visualizar como funcionaria o financiamento. Uma família que tenha como renda mensal o valor de R$ 6 mil, por exemplo, consegue financiar em um banco público um imóvel de R$ 186,84 mil e, nas instituições privadas, a mesma renda proporciona um financiamento de 209,25 mil.

Uma faixa intermediária de renda familiar entre R$ 10 mil e R$ 12 mil reais conseguiria financiar, em instituições públicas e privadas, imóveis cujo valor seria de R$ 352,06 mil e R$ 423,46 mil, respectivamente. Para superar a faixa de R$ 1 milhão, o valor da renda familiar teria que ser superior a R$ 30 mil.

Tente negociar sempre

É sempre importante lembrarmos que existe uma série de negociações que podem ser feitas durante o processo de financiamento e, por isso, o ideal é procurar a sua instituição bancária. Em primeiro lugar, é muito comum servidores públicos terem mais vantagens, principalmente quando consideramos os financiamentos nas instituições públicas. Se o imóvel é o primeiro da família, o FGTS também pode ser usado. Por fim, a negociação deve ser feita com o próprio proprietário, já que muitas vezes os valores divulgados podem estar superestimados!

Pronto para começar a financiar o seu imóvel? Ainda ficou com alguma dúvida? Tem alguma experiência para compartilhar? Deixe seu comentário!

 

 


Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.