Não está com tempo de ler? Ouça este conteúdo.

Um número cada vez maior de brasileiros vem conseguindo realizar o sonho da casa própria nos últimos anos, o aumento das facilidades de financiamento, e de programas do Governo como o Minha Casa Minha Vida contribuíram muito para esse crescimento.

Porém, outro fator importante que ajudou nesse aumento foi a figura do correspondente bancário, que veio para ajudar na descentralização do atendimento sobre financiamentos, antes feito apenas pelos bancos.

Segundo nosso parceiro Humberto, da GM Financiamentos, os correspondentes bancários podem ser responsáveis por todo o processo de financiamento imobiliário, desde a coleta de documentos e análise do financiamento até o acompanhamento da assinatura do documento no Banco. Esses serviços podem ser oferecidos por imobiliárias, empresas de crédito e até mesmo por algumas lotéricas.

A Caixa Econômica Federal é atualmente o banco público que mais financia imóveis no Brasil, mas não é a única instituição a contar com esse serviço, atualmente, praticamente todos os bancos tem o serviço de corresponde ou agente bancário.

Entre as vantagens da contratação de um agente ou um correspondente estão, a agilidade e a rapidez, além da comodidade. O consumidor que optar pelo serviço não precisa se preocupar com os custos de sua remuneração, eles são pagos pelo banco como comissão pelos negócios fechados.

Porém antes de sair em busca de um imóvel, é preciso saber quanto ele vai poder custar. Essa etapa é importante, pois é preciso ter em mente o valor do financiamento que poderá ser liberado pelo banco. Como em qualquer avaliação de crédito, esse número vai depender de vários fatores, como a renda e as idades de cada família.

Esse é um processo onde os correspondentes são de grande ajuda, já que não é mais necessário ir direto as agências bancárias para descobrir esse valor. Para fazer essa consulta o comprador interessado deve apresentar uma cópia do imposto de renda, seus comprovantes de renda, e documentos pessoais como RG e CPF.

Após essa etapa, o comprador e os corretores imobiliários podem começar a busca pelos imóveis disponíveis.

Nesse momento é importante se certificar que nem o vendedor, nem o imóvel tenham nenhuma restrição. No caso do vendedor, as pendências podem ser pesquisadas no Serasa, no SPC e na receita federal. Já o imóvel deve estar com sua documentação regularizada na prefeitura e no Cartório de Registro de Imóveis, não podendo ter pendência na hipoteca ou no inventário, por exemplo.

Outro ponto que deve ser levado em consideração é que mesmo conseguindo financiar grande parte do valor do imóvel, o comprador deve ter algum dinheiro separado para pagar à vista algumas taxas referentes a essa transação.  A taxa de registro no cartório é de 1% o valor da compra, já o ITBI – é um imposto municipal ( cada prefeitura  determina a alíquota) em São Paulo, a taxa é de 2% sobre o maior dos valores: Valor de Compra e Venda ou Valor Venal registrado na Prefeitura.

Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.