Não está com tempo de ler? Ouça este conteúdo.

Muitos brasileiros sonham em adquirir a casa própria e diversos motivos podem ser elencados para esse desejo: seja a independência financeira, a possibilidade de maior segurança em não pagar aluguel ou, ainda, o início de uma vida em família.

Por isso, o Programa Minha Casa, Minha Vida, criado pelo Governo Federal em 2009, vem ajudando muita gente a atingir esse objetivo, oferecendo diversas facilidades para famílias que têm renda de até R$ 7 mil ao mês.

São muitos os benefícios de financiar com a Caixa. Você já conhece as vantagens? Ainda não? Continue a leitura deste post e saiba mais sobre o assunto!

1. A renda necessária é menor

No programa Minha Casa, Minha Vida existem faixas de renda que determinam as características do programa. Nos outros tipos de financiamento a renda normalmente é um limitante, fazendo os proponentes lançarem mão da composição de renda familiar.

São quatro faixas utilizadas, baseadas na renda bruta familiar por mês:

  • Faixa 1: oferecida para famílias com renda até R$ 1.800,00;
  • Faixa 1,5: trabalha com rendas familiares entre R$ 1.800,00 e R$ 2.600,00;
  • Faixa 2: destinada à famílias que se enquadrem na renda de R$ 2.600,00 até R$ 4.000,00.
  • Faixa 3: por fim, a quarta e última faixa pode ser utilizada para famílias que tenham uma renda de até R$ 7.000,00, e que não seja menor que R$ 4.000,00.

O programa Minha Casa, Minha Vida tem o objetivo de fornecer vantagens à população para garantir o acesso à habitação, e não o enriquecimento das famílias. Por isso, a renda para solicitar o financiamento é menor.

O que não deve ser esquecido, no entanto, é que a prestação para pagamento deve ser de até 30% da renda familiar. Por exemplo, se a sua família ganha R$ 2,5 mil por mês, a sua prestação pode ser de até R$ 750.

2. As taxas e os juros são mais baixos

O financiamento imobiliário funciona como um empréstimo: a instituição financiadora avalia a situação do requerente e, se aceitar, quita o imóvel em questão perante o vendedor. Desse modo, o solicitante cria uma dívida em relação a essa instituição, seja um banco, seja uma construtora ou incorporadora.

Assim, como o pagamento ocorre por meio de parcelas mensais, são acrescidos juros e taxas nesse valor, procedimento comum para todo e qualquer empréstimo — inclusive, em financiamentos de imóveis.

No Minha Casa, Minha Vida, os custos do financiamento do imóvel também são determinados pelas faixas de renda. As famílias que têm menor renda pagam taxas, impostos e juros menores, justamente para incentivar que uma grande parcela da população invista no sonho da casa própria.

Para você ter uma ideia, nos outros tipos de financiamento os juros ficam em torno de 10%. No programa Minha Casa, Minha Vida existem juros a partir de 5% ao ano, podendo chegar a 8,66%. Uma boa diferença, não é?

3. Os prazos para pagamento são maiores

Quando um financiamento de imóvel é estabelecido, um contrato é pactuado, com todas as condições que regerão o negócio: o valor da casa ou do apartamento, as taxas e os juros envolvidos, a forma de pagamento e, também, o prazo para que a quitação da dívida ocorra.

No programa Minha Casa, Minha Vida, esse prazo pode ser bastante estendido, justamente para facilitar a vida de quem solicita um financiamento imobiliário e, também, para que a dívida possa ser quitada sem a necessidade de renegociação.

Por isso, é possível que o solicitante do financiamento por meio do programa da Caixa Econômica Federal pague a sua dívida em até 35 anos, ou seja, 420 meses. Bastante tempo, não é? Esse prazo é menor em outros bancos, como o Bradesco — essa instituição realiza financiamentos com prazos de até 30 anos

Vale lembrar, no entanto, que a idade do solicitante influencia no estabelecimento do tempo para o pagamento, como forma de proteger a instituição financiadora. Ou seja, o financiamento é permitido a clientes cuja idade, somada ao prazo de pagamento, não ultrapasse 80 anos e 6 meses.

4. A entrada é facilitada

Além de todas as vantagens que já mostramos aqui, a entrada também é facilitada. A entrada para financiamento de um imóvel nada mais é do que o pagamento de uma parcela inicial, como forma de garantir a real intenção de adquirir determinado apartamento ou certa casa.

A partir do pagamento, esse número é subtraído do valor a ser financiado e, então, são calculadas as parcelas para quitação da dívida. Geralmente, a entrada fica em torno de 30% do preço do imóvel.

Já para o programa Minha Casa, Minha Vida, essa entrada pode ser diminuída para um percentual mínimo de 10%. Assim, fica muito mais fácil guardar o dinheiro necessário para iniciar o financiamento do imóvel dos sonhos.

5. A utilização do saldo FGTS é permitida

Se você não tem dinheiro guardado, é possível usar o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para auxiliar na conquista da casa própria a partir do financiamento imobiliário pelo Minha Casa, Minha Vida.

Com ele, o saldo devedor pode ser amortizado ou liquidado, ou seja, o seu FGTS pode ser usado para quitar totalmente a dívida contraída pelo financiamento ou, ainda, amortizar parte do saldo devedor.

O FGTS também pode ser utilizado para diminuir em até 80% o valor das prestações em até 12 meses consecutivos, funcionando como uma ótima opção para quem deseja solicitar um financiamento imobiliário mas não se planejou financeiramente. Em ambos os casos, no entanto, é necessário que o empréstimo seja feito dentro do Sistema Financeiro da Habitação (SFH).

6. Os subsídios são uma boa ajuda

Se os valores dos imóveis estão acima das suas possibilidades de pagamento, não se preocupe. Dependendo da faixa de renda, você pode conseguir um auxílio. Existem subsídios de até R$ 47,5 mil para ajudar você a pagar o apartamento novo.

É isso mesmo: além das taxas abaixo dos valores do mercado, você ainda conta com um auxílio para o pagamento. Esse auxílio é chamado de subsídio e nada mais é do que um benefício financeiro para ajudar no pagamento do financiamento.

Como o seu valor é variável e depende, claro, da renda bruta familiar, é necessário realizar uma simulação no site da Caixa Econômica Federal ou, ainda, buscar uma agência para tirar todas as dúvidas e encontrar o valor exato para a sua faixa de renda e para seu bolso.

7. Existem vantagens para quem é funcionário público

Como o funcionário público está protegido de demissões repentinas ou, também, da alteração de salário, as instituições financiadoras oferecem vantagens específicas para esse tipo de cliente.

Esses benefícios influenciam as condições de crédito oferecidas ao solicitante, de modo a facilitar ainda mais o contrato de financiamento imobiliário para quem é servidor público, seja em esfera municipal, estadual ou federal.

Por isso, o valor do imóvel a ser financiado pode ser aumentado ou, ainda, o prazo de pagamento pode ser estendido, a depender da faixa de renda familiar. Vale consultar uma agência e verificar qual é o seu caso.

8. O atendimento é facilitado pelos Correspondentes Caixa

A Caixa Econômica Federal oferece atendimento facilitado a partir de seus correspondentes, que são empresas credenciadas para prestar diversos serviços. O foco, no entanto, é atender clientes que têm interesse em solicitar financiamentos imobiliários.

Esse atendimento funciona como um benefício extra, já que poupa o cliente da necessidade de buscar a instituição bancária em todo momento para solucionar dúvidas: basta procurar o correspondente mais perto de você e pronto!

Companhias de renome e de qualidade passaram a ser credenciadas e tornaram-se responsáveis por manter um relacionamento direto com o banco, facilitando (e muito!) a vida dos clientes.

9. É possível conseguir descontos nas despesas cartoriais

Já é de conhecimento de todos que, no Brasil, as taxas pagas em serviços de cartórios não são baratas. Em caso de compra de um imóvel, por meio de financiamento, é importante contabilizar esse valor desde o início, para evitar surpresas desagradáveis.

No entanto, para quem faz parte do programa Minha Casa, Minha Vida, é possível conseguir descontos com essas despesas, como mais uma maneira de estimular famílias do país afora a adquirirem um imóvel próprio — conforme estipula a Lei nº 11.977/2009, que dispõe sobre o programa.

Por isso, ao realizar a simulação de seu financiamento ou entrar em contato com um correspondente, informe-se a respeito do desconto das despesas de cartório e tenha mais uma vantagem para seu bolso.

10. O imóvel sai em seu nome desde o início

No ato do financiamento com a Caixa Econômica, a escritura do imóvel já sai em seu nome, mas com alienação da Caixa. Se houver atraso do pagamento das parcelas, haverá cobrança de juros.

Vale lembrar que o apartamento é a garantia de que o financiamento será pago. Isso significa que, depois de duas parcelas atrasadas, é possível a pessoa perder o imóvel. Faça seu planejamento financeiro e evite transtornos.

São muitas as vantagens para você e sua família conquistarem o sonho da casa própria. Não se esqueça de que esses 10 itens que mostramos aqui podem depender da sua faixa de renda. Por isso, contate o banco ou um correspondente e saiba mais sobre os benefícios de financiar com a Caixa.

Gostou de saber sobre o assunto? Compartilhe nosso artigo nas redes sociais e divulgue-o aos seus amigos.


Sobre Gerência Imóveis

Única plataforma que conecta o proprietário à imobiliária e/ou corretor de imóveis com o foco em potencializar as vendas e torná-las mais seguras maximizando o tempo do corretor.